Banco italiano UniCredito incorpora HVB | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 13.06.2005
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Banco italiano UniCredito incorpora HVB

Na maior fusão de bancos da história da Europa, o italiano UniCredito incorporou por 19 bilhões de euros o alemão HypoVereinsbank (HVB). Mais de nove mil pessoas devem perder o emprego.

default

UniCredito é líder na Itália e um dos mais lucrativos bancos da Europa

A instituição financeira resultante da fusão terá 120 mil empregados e será a nona maior da Europa, segundo seu valor de mercado. Antes da fusão, o HVB era o segundo maior banco alemão. Já o UniCredito/HVB, com valor de mercado calculado em 41,2 bilhões de euros, supera o número um da Alemanha, o Deutsche Bank.

O sinal verde para a fusão, que deverá ser concluída até outubro, foi dado no último domingo pelo conselho fiscal do HVB, que se reuniu em Munique. Logo em seguida, o conselho fiscal do UniCredito, em Milão, também aprovou o negócio. A decisão foi bem aceita pelo maior acionista do HVB, a resseguradora Münchener Rück.

Alessandro Profumo (l) und Dieter Rampl (r) Die italienische Großbank UniCredito will die Münchner HypoVereinsbank (HVB) für gut 15 Milliarden Euro übernehmen

O presidente do UniCredito, Alessandro Profumo (e), e o presidente do HVB, Dieter Rampl, caminham pelo centro de Milão

Para o presidente do UniCredito, Alessandro Profumo, a fusão resulta num banco nem alemão, nem italiano, mas no primeiro banco "verdadeiramente europeu". O ministro das Relações Exteriores da Itália, Gianfranco Fini, saudou a fusão: "Este é um dia muito feliz para a Itália e a Europa". Para o presidente do HVB, Dieter Rampl, "ambos escolhemos o melhor parceiro".

Cortes atingem Leste Europeu e Alemanha

As instituições divulgaram que serão demitidos 9.200 funcionários, a maioria deles em países do Leste Europeu, onde os dois bancos têm forte presença. Mas também a Alemanha será atingida.

Segundo cálculos do Ver.di, o sindicato alemão dos funcionários do setor de prestação de serviços, serão cortados dois mil postos de trabalho. O governo alemão não quis comentar os cortes e afirmou que a fusão é uma transação econômica normal.

HypoVereinsbank Logo Schild

Logotipo do HypoVereinsbank

O UniCredito se comprometeu a não demitir ninguém pelos próximos três anos. Para o mercado alemão, a garantia é válida por cinco anos. Mas o conselho fiscal da nova instituição pode, teoricamente, derrubar essa garantia. Para isso, é necessário o voto de 19 dos 24 membros do conselho fiscal.

O gigante italiano é um dos bancos mais lucrativos da Europa. Nos últimos anos, várias filiais deficitárias foram fechadas, fazendo com que a lucratividade da empresa italiana superasse a da instituição alemã.

Sistema bancário alemão revela fraquezas

Para especialistas, a incorporação do HVB pelo UniCredito revela fraquezas do sistema bancário alemão. "Nos últimos dez a 20 anos, todo o setor bancário europeu foi liberalizado, com uma exceção: a Alemanha", disse o analista Dieter Hein, da FaiResearch.

Para ele, enquanto em outros países europeus se desenvolveram bancos competitivos, o mesmo não aconteceu na Alemanha. "A única exceção é o Deutsche Bank." A saída seria abrir o mercado e permitir que também bancos estatais tomassem empréstimos privados.

Commerzbank Hauptsitz in Frankfurt

Sede do Commerzbank em Frankfurt

No entanto, a transação envolvendo o HVB não significa que uma onda de incorporações esteja prestes a acontecer na Alemanha, pelo simples fato de que não há mais muitos bancos privados a serem comprados.

Os próximos em uma possível lista seriam o Commerzbank, atual número três no ranking alemão, e o Postbank. Entre os possíveis compradores citados por analistas estão o norte-americano Citigroup, o britânico HSBC, o Banco Real da Escócia e o francês BNP Paribas.

Leia mais