Balança comercial fecha 2017 com superávit recorde | Legado judaico no mundo | DW | 02.01.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Balança comercial fecha 2017 com superávit recorde

Brasil exportou 67 bilhões de dólares a mais do que importou no ano passado. Esse é o melhor resultado do comércio exterior dos últimos 29 anos, quando teve início a série histórica.

Exploração de minério de ferro em Minas Gerais

Preço de minério de ferro teve alta de 40,9% em 2017

A balança comercial brasileira registrou em 2017 o superávit de 67 bilhões de dólares, segundo dados divulgados nesta terça-feira (02/01) pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). Esse foi o melhor resultado desde o início da série histórica, em 1989.

Em 2017, as exportações tiveram uma alta de 18,5% em relação ao ano anterior pela média diária, somando 217,7 bilhões de dólares. Já as importações registraram um aumento de 10,5%, chegando a 150,7 bilhões de dólares.

"Em 2016, as exportações tinham caído 3,5% e as importações tinham caído 20%. No ano passado, houve uma diferença brutal, com crescimento das exportações e também das importações. Os economistas leem esses dados como sinal da recuperação da economia brasileira", disse o ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira.

Apesar do aumento, as exportações no ano passado não alcançaram o recorde registrado em 2011, quando as vendas externas totalizaram 256 bilhões de dólares.

O aumento das exportações em 2017 foi impulsionado pelas vendas de produtos básicos, que cresceram 28,7% no ano passado pelo critério da média diária, além de produtos semimanufaturados, que subiram 13,3%, e de produtos industrializados, com aumento de 9,4%.

O Brasil importou em 2017 mais combustíveis e lubrificantes, com um aumento de 42,8%, bens intermediário (11,2%) e bens de consumos (7,9%). As importações de bens de capital, como máquinas e equipamentos, caíram 11,4% em relação ao ano passado.

O resultado da balança comercial foi impulsionado, principalmente, pela recuperação dos preços internacionais dos bens primários e pela safra recorde. Em 2017, o preço médio das mercadorias exportadas subiu 10,1%, puxado pela valorização das commodities. Os destaques foram minério de ferro, com alta de preços de 40,9%, semimanufaturados de ferro e aço (34,3%) e petróleo bruto (32,2%).

Os maiores compradores do Brasil no ano passado foram a China (50,2 bilhões de dólares), seguida pelos Estados Unidos, (26,9 bilhões de dólares) e Argentina (17,6 bilhões de dólares). Os três países também foram respectivamente os maiores vendedores para o Brasil, seguidos pela Alemanha.

CN/abr/ots

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais