Avião da LaMia teria voado outras oito vezes no limite de combustível, diz rede de TV | Siga a cobertura dos principais eventos esportivos mundiais | DW | 09.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Avião da LaMia teria voado outras oito vezes no limite de combustível, diz rede de TV

TV Univisión afirma que a linha aérea violou sistematicamente regulamentos de peso e combustível para aeronaves, colocando em risco a vida de três times de futebol nos últimos seis meses.

Kolumbien Absturzstelle des LaMia Flugzeugs (Reuters/F. Builes)

Destroços da aeronave acidentada

O avião da companhia aérea boliviana LaMia forçou a reserva de combustível em pelo menos outros oito voos, antes da recente queda, afirmou nesta quinta-feira (08/12) reportagem do canal de televisão americano Univisión. O acidente de 28 de novembro, na Colômbia, provocou a morte de 71 pessoas, entre as quais diversos jogadores e membros do time de futebol Chapecoense, de Santa Catarina.

Assistir ao vídeo 00:55
Ao vivo agora
00:55 min

Tripulante do voo da Chapecoense é primeiro a ter alta

De acordo com uma tabela de itinerários obtida e analisada pela Univisión, quinta maior rede televisiva dos Estados Unidos e principal emissora em espanhol no país, a aeronave violou sistematicamente as regulamentações relativas a peso e combustível para aeronaves, colocando em risco a vida de três times de futebol nos últimos seis meses.

A Organização Internacional de Aviação Civil estabelece que se mantenha uma reserva de combustível de pelo menos 45 minutos. Na noite da tragédia, o avião Avro RJ85 se precipitou ao solo com os tanques vazios, sendo a falta de combustível apontada como a principal hipótese para a causa do acidente.

A investigação da Univisión concluiu que a empresa boliviana colocou em risco a vida de tripulação e passageiros ao cobrir rotas inteiras sem um mínimo de combustível para garantir eventuais sobrevoos exigidos por um congestionamento aéreo ou desvios devido a mau tempo.

"O que a tabela revela é que há violações sistemáticas em quase todos os voos", afirmou ao canal o piloto Esteban Saltos, especialista em segurança aérea. "Pelo que vejo, a empresa estava acostumada a usar o avião no limite de combustível."

IP/ots

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados