Avança integração de muçulmanos na Alemanha, diz estudo | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 24.08.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Avança integração de muçulmanos na Alemanha, diz estudo

Praticamente todos os imigrantes muçulmanos se sentem vinculados ao país, e seu nível educacional é cada vez mais alto. Por outro lado, um em cada cinco cidadãos alemães não os quer como vizinhos.

Brinquedo de parque de diversões

De acordo com estudo, 96% dos muçulmanos se sentem vinculados à Alemanha

Em comparação com outros países da Europa Ocidental, a Alemanha apresenta um bom índice de integração de imigrantes muçulmanos em sua sociedade, aponta um estudo apresentado pela Fundação Bertelsmann nesta quinta-feira (24/08).

A pesquisa levou em conta a situação dos muçulmanos que chegaram antes de 2010 à Alemanha, assim como a Suíça, Áustria, França e Reino Unido, e avaliou competências linguísticas, nível educacional, emprego e contatos sociais.

A Alemanha apresentou, de longe, os melhores resultados quanto à integração dos imigrantes muçulmanos no mercado de trabalho. De acordo com o estudo, aproximadamente 60% dos 4,7 milhões de muçulmanos na Alemanha trabalham em tempo integral (assim como a média geral no país), e 20%, meio período. Além disso, 96% dos muçulmanos entrevistados na Alemanha afirmaram que se sentem vinculados ao país.

Mais complicada é a situação de muçulmanos altamente religiosos na Alemanha. Eles raramente encontram um emprego que corresponda a seu nível de qualificação e recebem um salário muito menor em comparação com os muçulmanos que não praticam a religião. No Reino Unido, ambos os grupos ostentam um percentual semelhante de representação no mercado de trabalho.

De acordo com o estudo, 73% dos filhos de imigrantes muçulmanos nascidos na Alemanha crescem com o alemão como primeira língua, e seu nível educacional é cada vez mais alto.

No entanto, há pontos negativos quanto à educação. Enquanto na França, por exemplo, apenas 11% dos muçulmanos deixam a escola antes dos 17 anos, sem completar os estudos, na Alemanha, o percentual é de 36%. 

No entanto, a maior taxa de filhos de imigrantes muçulmanos que completam os estudos na França não os protege do desemprego acima da média nacional e de menos cargos de tempo integral.

"A comparação internacional mostra que não é uma afiliação religiosa que determina as chances de sucesso da integração, mas a conjuntura estatal e econômica", afirma Stephan Vopel, especialista de coesão social na Fundação Bertelsmann.

O estudo, intitulado "Muçulmanos na Europa – integrado, mas não aceito?", mostra quão grandes são as reservas em relação aos muçulmanos. À pergunta "quem você recusa como vizinho?", um número significativamente maior dos entrevistados na Alemanha, Áustria, Suíça, Reino Unido e França se manifestou contra muçulmanos do que contra famílias com muitos filhos, estrangeiros, homossexuais, judeus, pessoas com outra cor de pele, ateus e cristãos. Na Alemanha, 19% rejeitaram vizinhos muçulmanos.

Para o estudo, foram entrevistados mais de 10 mil muçulmanos e não muçulmanos da Alemanha, Suíça, Áustria, França e no Reino Unido no fim de 2016. Muçulmanos que chegaram aos países depois de 2010 não foram abordados.

PV/dpa/kna/afp/ots

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados