Autoridades de Berlim proíbem mesquita radical | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 28.02.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Autoridades de Berlim proíbem mesquita radical

Associação Fussilet 33 era frequentada pelo autor do atentado a um mercado de Natal e seu líder é acusado de radicalizar jovens muçulmanos e enviar pessoal e armas para o Oriente Médio.

Dois agentes de polícia no prédio onde funcionava a mesquita Fussilet 33, no bairro de Moabit

Policiais diante do prédio onde funcionava a mesquita Fussilet 33, no bairro de Moabit

Autoridades proibiram uma mesquita radical de Berlim que foi frequentada por Anis Amri, o autor do atentado terrorista a um mercado de Natal em dezembro passado, comunicou a polícia da capital alemã nesta terça-feira (28/02).

A autorização para o fechamento do local é de duas semanas atrás, e há uma semana a própria mesquita fechou as portas. Nesta terça-feira, a polícia faz buscas em 24 imóveis da capital alemã em conexão com a proibição. Ao todo, 450 agentes participam da ação.

A associação religiosa Fussilet 33, nome que faz referência ao endereço da mesquita no bairro de Moabit, é considerada um reduto de radicais islâmicos e teria enviado pessoal e equipamento militar para regiões em conflito no Oriente Médio, como a Síria. O líder da associação, que está em prisão preventiva, é acusado de radicalizar jovens muçulmanos.

A Fussilet 33 era monitorada pelo serviço secreto interno da Alemanha, e ao menos dez pessoas que estavam na lista de radicais islâmicos das autoridades frequentavam o local. Em janeiro de 2005, as instalações da mesquita já haviam sido alvo de operações de busca pela polícia.

AS/afp/dpa/efe

Leia mais