Aumento de juros não conterá pressão inflacionária, dizem especialistas | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 18.04.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Aumento de juros não conterá pressão inflacionária, dizem especialistas

Copom eleva Selic de 7,25% para 7,50%, em medida defendida por Dilma para conter a alta dos preços. Aumento, o primeiro em quase dois anos, é visto como ação simbólica do governo, que quer se mostrar atento à inflação.

Para conter a alta da inflação, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central elevou na quarta-feira (17/04) os juros básicos da economia brasileira de 7,25% para 7,50%. É a primeira vez que o governo aumenta a taxa Selic desde julho de 2011 – quando a passou de 12,25% para 12,50%.

A decisão de elevar a taxa de juros ocorre em um momento de forte pressão dos preços, em que o índice de 6,59% de inflação, medido nos últimos 12 meses pelo IBGE, ultrapassou a meta estabelecida pelo BC – que era de 6,50%. Produtos como tomate, que em 12 meses subiu mais de 120%, contribuíram para elevar a inflação. 

Com a medida, o governo pretende encarecer o crédito para as famílias e espera, com isso, que o consumo diminua – e, como resultado, que os produtos, principalmente os alimentos, fiquem mais baratos. Mas, mesmo assim, analistas acreditam que a pressão inflacionária deverá persistir por mais algum tempo.

"Aumentar a taxa Selic para controlar a inflação é ineficiente. Esse aumento tem um impacto muito pequeno, já que a modalidade de crédito mais usada é o cartão de crédito e o cheque especial. Não é 0,25 ponto a mais ou a menos que vai fazer com que as pessoas deixem de consumir", explicou Samy Dana, professor de economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Com o aumento, os custos da produção também devem subir. "Eu não acho uma atitude [a do aumento dos juros] muito assertiva. O problema do Brasil não é a demanda, mas sim a oferta. Aumentar o juros em um momento de fraco crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) não é a solução", acrescentou Dana.

Aumento simbólico

Pelo fato de o percentual de aumento ser baixo, é provável, segundo especialistas, que não haja qualquer influência sobre a trajetória do aumento dos preços. O aumento, de acordo com Manuel Enriquez Garcia, professor de economia da Universidade de São Paulo (USP), é simbólico para mostrar sinais ao mercado de que o governo está atento à inflação.

"O percentual é muito baixo e não vai ter qualquer repercussão sobre a trajetória do aumento dos preços. O governo não usou de forma concreta a política monetária para debelar um processo inflacionário que está latente e poderá causar muitos danos, principalmente para as classes menos favorecidas", disse Garcia, presidente da Ordem dos Economistas do Brasil.

Bildergalerie Bioanbau in Uganda Bio-Tomaten

O tomate foi um dos vilões do aumento da inflação. O produto aumentou mais de 120% em 12 meses e chegou a custar mais de 10 reais/kg.

Dos oito membros do Copom, seis – inclusive o presidente do Banco Central, Alexandre Antonio Tombini – votaram a favor do aumento. Outros dois membros votaram pela manutenção da taxa em 7,25%.

"O nível elevado da inflação e a dispersão de aumentos de preços, entre outros fatores, contribuem para que a inflação mostre resistência e ensejam uma resposta da política monetária", disse o Copom em comunicado. "Incertezas internas e, principalmente, externas cercam o cenário prospectivo para a inflação e recomendam que a política monetária seja administrada com cautela".

Efeitos colaterais

Na segunda-feira, dois dias antes do anúncio do aumento da Selic, a presidente Dilma Rousseff já defendia a medida. "Não fazemos concessão à inflação e sempre combatemos e combateremos a inflação, principalmente pelo mal que causa para trabalhadores e empresários. Corrói as rendas. Não abriremos mão desse controle", afirmou.

Os efeitos colaterais da elevação dos juros podem aparecer em breve. Segundo especialistas, a atividade econômica do país pode se reduzir e, assim, influenciar o fechamento do crescimento de 2013 – além de gerar impacto na criação de empregos e no salário dos trabalhadores, que hoje estão em ritmo de alta.

"Subir a taxa de juros neste momento não é conveniente, logo agora que a economia começa a ensaiar a sua decolagem. Isso pode comprometer o crescimento. Acho que na próxima reunião [marcada para 28 e 29 de maio], a taxa deverá subir 0,5 ponto até alcançar 8% ou 8,5%", destaca Celso Grisi, professor de economia da Fundação Instituto de Administração (FIA).

Uma Selic maior aumenta a rentabilidade dos títulos públicos – e, consequentemente, o reembolso a ser realizado pelo governo federal, que vai ter que pagar um rendimento maior por esses papéis. Outro efeito colateral é a dificuldade dos estados e municípios em realizar o pagamento de suas dívidas.

Para Dana, da FGV, o governo deveria investir realmente nos pontos certos para combater a inflação. "Deveria ser feita uma reforma tributária profunda e investimentos em infraestrutura e educação, para poder fazer o país crescer", conclui.

Leia mais