Aumenta pressão por monitoramento da AfD | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 03.09.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Aumenta pressão por monitoramento da AfD

Após incidentes em Chemnitz, políticos defendem que partido populista de direita deve ser monitorado pelas autoridades por incitar violência e xenofobia. Dois estados já observam de perto ala jovem da legenda.

Chemnitz viveu série de protestos contra a política migratória do governo

Chemnitz viveu série de protestos contra a política migratória do governo nos últimos dias, nos quais a AfD esteve envolvida

Após violentos protestos contra a política migratória do governo alemão na cidade de Chemnitz, no leste do país, ganhou força no país o debate sobre um possível monitoramento pelas autoridades federais do partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD).

A legenda foi uma das organizações envolvidas nasrecentes manifestações em Chemnitz, motivadas pelo assassinato de um cidadão alemão de 35 anos. O fato de dois suspeitos pelo crime serem estrangeiros – um sírio e um iraquiano – acirrou os ânimos na cidade e levou extremistas a perseguirem e atacarem pessoas que aparentavam ser estrangeiras durante os protestos.

No último sábado, cerca de 6 mil apoiadores da AfD e do Pegida (sigla em alemão para "Patriotas europeus contra a islamização do Ocidente") saíram às ruas de Chemnitz. Líderes da AfD, entre eles, Björn Höcke, da Turíngia, participaram da marcha.

Políticos social-democratas e alguns conservadores expressaram apoio ao monitoramento do partido, ainda que o Ministério do Interior afirme não haver uma base legal para que essa medida seja colocada em prática.

O vice-presidente do Bundestag (Parlamento alemão), Thomas Oppermann, do Partido Social-Democrata (SPD), afirmou ao jornal Die Welt nesta segunda-feira (03/09) que o Departamento Federal de Proteção à Constituição, o serviço secreto interno do país, deveria investigar uma possível colaboração da AfD com grupos radicais de extrema direita.  

"A questão dos refugiados divide a sociedade, e a AfD se engaja de maneira cada vez mais radical nessa onda", disse Oppermann. "Por isso,o Departamento Federal de Proteção à Constituição deve observar de perto a divisão de tarefas entre a AfD e os neonazistas", exigiu, acusando o partido de atacar diretamente as bases do Estado de Direito e de incitar a violência.

"A AfD se deixou transformar numa frente de radicais de direita nas ruas de Chemnitz, seja por vontade própria ou não", afirmou a líder do SPD no Bundestag, Andrea Nahles, ao defender que a sigla direitista seja observada de perto.

O secretário-geral do SPD, Lars Klingbeil, afirmou que "se alguém ameaça o Estado, deve ser monitorado".

Martin Dulig (SPD), vice-governador do estado da Saxônia, onde fica Chemnitz, afirmou ao Die Welt haver "pós-fascistas" entre os políticos da AfD.

"Temos que deixar de ser reféns da AfD", afirmou. Ele defende que o foco deve estar mais nos eleitores do partido do que na sigla, que, segundo diz, "vive da manipulação das pessoas e de seus medos".   

Os líderes da conservadora União Democrata Cristã (CDU,) da chanceler federal Angela Merkel, se dividem quanto a um monitoramento de um possível envolvimento da AfD com grupos radicais de direita.

Björn Höcke, líder da AfD na Turíngia, participa de marcha organizada pelo partido e grupos de direita em Chemnitz

Björn Höcke, líder da AfD na Turíngia, participa de marcha organizada pelo partido e grupos de direita em Chemnitz

Thomas Strobl, vice-presidente da CDU e secretário do Interior de Baden-Württemberg, disse ao jornal Augsburger Allgemeine que a AfD tende cada vez mais à extrema direita, e que os eventos em Chemnitz demonstram "mais uma vez com clareza" que as autoridades federais devem "no mínimo continuar a observá-la de perto". "Se as condições para essa vigilância já existirem, ela deve ser rapidamente posta em prática", reiterou.

Mais cauteloso, o governador do estado de Schleswig-Holstein, Daniel Günther (CDU), alertou que o monitoramento da AfD poderá levar o partido a assumir um papel de mártir. Em entrevista ao grupo de mídia Funke, ele afirmou que a medida "não ajudará na confrontação das forças políticas radicais, sejam de direita ou de esquerda". Ele defende que não apenas os partidos democráticos, mas também os cidadãos democratas, devem buscar o debate político com a AfD. 

Já o líder da CDU no Bundestag, Volker Kauder, exigiu uma confrontação política mais rígida para com a AfD, que, segundo afirma, "fornece assistência ao radicalismo de direita". Ele defende que o partido deve ser vigiado de perto pelas autoridades.

O líder da AfD no Bundestag, Alexander Gauland, rebateu as declarações de Kauder, dizendo que são "estúpidas e completamente absurdas". Ele reiterou que seu grupo parlamentar não apoia extremistas de direita.

"É uma tentativa de Kauder de nos silenciar e nos excluir do debate democrático, porque nos tornamos cada vez mais populares entre os cidadãos", afirmou ao Die Welt.

Enquanto parte dos políticos da CDU se alinham com os social-democratas em defesa da vigilância à AfD, os líderes da legenda conservadora União Social Cristã (CSU) – tradicional aliada da CDU na Baviera – demonstram ceticismo em relação à medida.

O governador bávaro, Markus Söder, observou que a AfD não é apenas um partido de protesto, mas que também possui uma "agenda oculta". Ele disse que a vigilância deve ser feita apenas individualmente, e não ao partido como um todo. "Temos que enviar um sinal claro na Baviera de que não queremos o que aconteceu em Chemnitz."

Ministério do Interior rejeita monitoramento

O governo federal diz que, até o momento, não há base para o monitoramento do partido como um todo. Segundo o Ministério do Interior, o parágrafo 3º da Lei Federal de Proteção à Constituição estabelece que esse tipo de vigilância deve ser aplicada, entre outros casos, quando há ameaças à ordem democrática, à existência ou à segurança da Federação ou de um estado.

O Ministério não se pronunciou sobre a possibilidade de se monitorarem membros isolados do partido.

O ministro do Interior, Horst Seehofer (CSU), já havia afirmado que o monitoramento das autoridades de proteção à Constituição à AfD não iria ocorrer.

Entretanto, nesta segunda-feira, uma porta-voz da Secretaria do Interior da Baixa Saxônia disse que a ala jovem da AfD no estado será monitorada. A cidade-Estado de Bremen informou que há uma semana já observa a mesma organização.

"Essas pessoas já deixaram cair suas máscaras diversas vezes. As mensagens desses grupos são, em parte, puramente racistas", disse o político local Ulrich Mäurer.

Segundo levantamento do instituto Civey, encomendado pelo grupo de mídia Funke, 57% dos alemães concordam que a AfD deve ser monitorada pelas autoridades.

Outra pesquisa realizada pela emissora alemã RTL afirma que o apoio à AfD, que obteve 13% dos votos nas eleições federais do ano passado, aumentou para 16% após os incidentes em Chemnitz.

RC/afp/rtr/epd

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais