Assembleia Constituinte se atribui poderes de Parlamento na Venezuela | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 18.08.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Assembleia Constituinte se atribui poderes de Parlamento na Venezuela

Órgão integrado apenas por chavistas decide por unanimidade conceder a si mesmo as competências para legislar, destituindo a Assembleia Nacional, dominada pela oposição.

Delcy Rodriguez

Presidente da Assembleia Constituinte, Delcy Rodríguez, voltou a atacar a oposição

A Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, integrada apenas por chavistas, decidiu nesta sexta-feira (18/08) por unanimidade assumir as competências legislativas do Parlamento, dominado pela oposição.

Opinião: Com Delcy Rodríguez rumo à ditadura na Venezuela?

A decisão foi tomada depois de a direção do Parlamento não ter comparecido a uma sessão que havia sido convocada pela Constituinte, um órgão que os opositores chamam de ilegítimo e veem como um instrumento para o presidente Nicolás Maduro consolidar uma ditadura.

Por decreto, o órgão plenipotenciário aprovou "assumir as competências para legislar sobre as matérias dirigidas diretamente a garantir a preservação da paz, a segurança, a soberania, o sistema socioeconômico e financeiro, os objetivos do Estado e a preeminência dos direitos dos venezolanos".

"Assim como para ditar atos parlamentares sem forma de lei e vinculados às referidas matérias, conforme o mandato do artigo 349 da Constituição", agrega o texto.

A presidente da Constituinte, Delcy Rodríguez, disse que a oposição, que domina a Assembleia Nacional, é a favor dos "mais obscuros e grosseiros interesses imperiais" e levou o país à violência nos protestos contra o governo, que entre abril e julho deixaram 123 mortos, com o propósito de derrotar Maduro.

A Assembleia Nacional é o único dos cinco poderes reconhecidos na Constituição da Venezuela que não se subordinou à Constituinte. O próprio Maduro e os titulares dos Poderes Judiciário, Eleitoral e Cidadão já reconheceram o órgão como um poder superior.

"Rejeitamos, desconhecemos e não vamos nos subordinar à fraudulenta Assembleia Nacional Constituinte. Submetemo-nos à vigência da Constituição de 1999", indicou a Assembleia Nacional em comunicado.

O comunicado é uma extensa carta aberta à nação, na qual os opositores repassam as razões pelas quais repudiam a Constituinte, que já afastou a procuradora-geral, Luisa Ortega, e ameaça prender os principais líderes antichavismo.

Na carta, assinada pelo presidente da Assembleia Nacional, Julio Borges, o órgão liderado por Rodríguez não é uma "autêntica assembleia constituinte", mas um poder que pretende perpetuar Maduro. "A Constituinte representa um sequestro dos direitos políticos e a destruição das instituições democráticas na Venezuela", afirmou o presidente do Parlamento.

"Temos o dever de permanecer ao lado da Constituição de 1999 e dos mais de 14 milhões de eleitores que nos transformaram em legítimos representantes da soberania popular", completou Borges, citando o número de eleitores que participou das eleições legislativas de 2015. 

AS/efe/dpa

Leia mais