Assassinato de três mulheres deixa Argentina em choque | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 24.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Assassinato de três mulheres deixa Argentina em choque

Homem mata três mulheres e fere gravemente duas crianças na província de Mendoza. Crime ocorre poucos dias após protestos em massa em diversas cidades do país contra a violência de gênero.

Milhares de mulheres em todo o país protestaram contra a violência de gênero

Milhares de mulheres em todo o país protestaram contra a violência de gênero

O assassinato de três mulheres na província argentina de Mendoza neste domingo (24/10) deixou o país em choque, poucos dias após as manifestações em massa contra a violência de gênero realizadas em diversas cidades da Argentina.

Um homem esfaqueou três mulheres, com idade entre 30 e 90 anos e feriu gravemente duas crianças, uma de 11 anos e outra de apenas dez meses. O crime ocorreu na cidade de Godoy Cruz, cerca de mil quilômetros a oeste de Buenos Aires.

O agressor foi identificado como um professor de artes marciais de 31 anos. Além de cometer os assassinatos ele ainda deixou um forno a gás ligado na cozinha da casa próximo a velas acesas, supostamente numa tentativa de provocar uma explosão. Depois, ele foi a um hospital para tratar uma ferida, onde acabou preso. 

O homem, que era marido de uma das vítimas, foi preso rapidamente após uma criança de oito anos, que se escondeu no porta-malas de um carro durante o massacre, conseguir telefonar para a polícia.

As vítimas eram uma mulher de 30 anos, sua mãe, de 55, e sua tia, de 90. As crianças foram hospitalizadas em estado grave, segundo informações do hospital pediátrico de Mendoza.

Na última quarta-feira, milhares de mulheres saíram às ruas de várias cidades argentinas para protestar contra os feminicídios e a violência de gênero, após o brutal assassinato de uma jovem de 16 anos em Mar del Plata.

Em 2015, 286 mulheres foram assassinadas na Argentina, segundo estatísticas da ONG Casa del Encuentro.

RC/afp/dpa

Leia mais