As promessas de Merkel para as eleições | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 03.07.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

As promessas de Merkel para as eleições

Emprego pleno até 2025, benefícios sociais para famílias e lei para trabalhadores estrangeiros: em busca de mais um mandato, partido da atual chanceler federal alemã apresenta programa eleitoral.

Angela Merkel apresenta programa eleitoral

"Por uma Alemanha em que vivamos bem e com prazer", diz frase do programa eleitoral mostrada no palanque de Merkel

Ao apresentarem seu programa eleitoral nesta segunda-feira (03/07), o partido União Democrata Cristã (CDU), da chanceler federal alemã, Angela Merkel, e sua legenda-irmã, União Social Cristã (CSU), prometeram maior apoio a famílias, mais policiais, mais moradias e emprego pleno dentro de oito anos.

Após divergências entre Merkel e Horst Seehofer, líder da CSU, as legendas chegaram a um acordo sobre o programa para as eleições de setembro deste ano, nas quais a chanceler federal alemã busca um quarto mandato.

Leia mais: As diferenças entre CDU e CSU

De acordo com o programa de 67 páginas – intitulado Prosperidade e segurança para todos  –, as famílias deverão ter um aumento de 25 euros por filho e por mês no chamado Kindergeld (benefício social pago a quem tem filhos).

Além da ajuda financeira, deve ser criado o Baukindergeld, benefício que prevê que famílias que comprarem um imóvel receberão do Estado um valor adicional de 1.200 euros por filho e por ano durante um período de dez anos.

Os partidos afirmaram que 1,5 milhão de novas moradias devem ser construídas nos próximos quatro anos – o que deve ser alcançado em parte por meio de deduções fiscais.

Angela Merkel e Horst Seehofer

Merkel e Seehofer apresentaram programa eleitoral de 67 páginas

Emprego, impostos, segurança

Para melhorar a segurança, 15 mil novos postos de trabalho devem ser abertos nas forças policiais.

Outro ponto-chave do programa eleitoral é o emprego pleno – definido por ambas as legendas como uma taxa de desemprego de no máximo 3% – até 2025. O índice de desemprego da Alemanha é hoje de 5,5%, e uma taxa na casa dos 3% não é registrada desde o chamado milagre econômico, de meados da década de 1970.

Leia a cobertura completa sobre a eleição na Alemanha em 2017

"Acreditamos que podemos alcançar o objetivo", declarou Merkel ao lado de Seehofer, em Berlim. "Nenhum posto de trabalho deve ficar desocupado", acrescentou a chanceler federal.

Nesse sentido, CDU e CSU anunciaram uma nova lei migratória para trabalhadores. Uma legislação do tipo incentivaria a imigração legal, disse Merkel, afirmando, no entanto, que não deve haver um sistema de pontos como o adotado no Canadá para trabalhadores estrangeiros

Com a quarta maior economia da Europa mantendo um crescimento econômico robusto, a CDU e a CSU também prometeram mais investimentos e garantiram que não vão aumentar impostos. O imposto de renda deve ser aliviado.

A questão dos refugiados continua sendo motivo de divergência entre Merkel e Seehofer. A chanceler federal reiterou que o teto anual de 200 mil refugiados a serem acolhidos pela Alemanha, exigido por Seehofer, está fora de cogitação. Ela enfatizou, no entanto, que CDU e CSU concordam que a crise migratória de 2015 – quando o país recebeu quase um milhão de refugiados – não deve se repetir.

Pesquisas apontam que a União CDU/CSU detém cerca de 40% das intenções de voto, 16 pontos percentuais à frente do atual parceiro de coalizão Partido Social-Democrata (SPD), do principal rival de Merkel, Martin Schulz.

LPF/dpa/rtr/afp/epd

Leia mais