As decisões internacionais de Trump que Biden deve reverter | Cobertura especial sobre as eleições nos Estados Unidos | DW | 10.11.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Estados Unidos

As decisões internacionais de Trump que Biden deve reverter

Da saída do acordo climático de Paris até o compromisso nuclear com o Irã, expectativa é de que presidente eleito desfaça muitas das medidas unilaterais adotadas por Donald Trump.

Joe Biden

Joe Biden prometeu restaurar o papel de liderança dos Estados Unidos no mundo

O presidente eleito Joe Biden prometeu restaurar o papel de liderança dos Estados Unidos no mundo, revertendo o unilateralismo do governo de Donald Trump e se reorientando para alianças internacionais de longa data. Biden afirma ainda que seu governo irá promover a diplomacia e liderar pelo "poder do exemplo", em vez de pelo "exemplo do poder".

Biden herdou uma situação em que os aliados questionam a credibilidade dos EUA e com as relações entre Washington e outras capitais ao redor do mundo passando por um momento de tensão.

O presidente eleito prometeu reparar o máximo de danos possível em seus primeiros cem dias de mandato, revertendo uma série de ordens executivas assinadas pelo atual governo. Tais ordens derrubaram acordos e alianças internacionais que Trump alegou serem injustos para os EUA por diversas razões. Segundo os críticos, porém, essas medidas foram contraproducentes, com o isolacionismo americano simplesmente permitindo que a China expandisse sua influência na ausência dos EUA.

Estas são algumas das principais medidas da política externa que o presidente eleito prometeu reverter assim que tomar posse:

Acordo nuclear com o Irã

O presidente Trump criticou regularmente o acordo nuclear com o Irã como "um dos piores negócios da história", retirando os EUA do pacto em 8 de maio de 2018. Trump também restabeleceu as sanções ao Irã e a qualquer um que fizer negócios com a nação persa.

Assinado em 2015 pelo governo de Barack Obama, ao lado de China, França, Rússia, Reino Unido e Alemanha, além do Irã, o acordo concordou em estabelecer o diálogo e o monitoramento do programa nuclear iraniano em troca de alívio econômico. O governo Trump chamou o acordo de fraco e, em vez disso, optou pela chamada "campanha de pressão máxima".

Biden acusa a política de Trump de ser ineficaz e de ter servido apenas para o aumento das tensões. Ele prometeu retornar ao acordo, mas disse que só retirará as sanções após a confirmação da estrita adesão do Irã às regras do pacto.

De forma mais geral, Biden também pode buscar distanciar os EUA da Arábia Saudita, adversário regional do Irã e maior aliado árabe de Washington no Oriente Médio. Durante seu mandato, Trump manteve forte proximidade com a monarquia autoritária, cujo reino desempenhou um papel fundamental na aliança anti-iraniana do presidente. Tal distanciamento poderia começar com o fim do apoio dos EUA à guerra da Arábia Saudita no Iêmen.

Acordo Climático de Paris

Biden, eleito em parte com o compromisso de combater as mudanças climáticas, tem afirmado que retornará imediatamente ao Acordo de Paris sobre o Clima. Trump, um negacionista do aquecimento global, retirou os EUA do acordo em 1º de junho de 2017, alegando que o pacto favorecia injustamente a China.

Assistir ao vídeo 00:48

Discurso de Trump sobre o Acordo de Paris

Os EUA são o segundo maior poluidor do mundo, atrás apenas da China.  Enquanto Trump enquadrou a questão em termos econômicos de soma zero, priorizando os lucros dos combustíveis fósseis em detrimento da proteção ambiental, Biden prometeu investir numa economia de energia limpa para financiar programas ambiciosos de redução de emissões.

Organização Mundial da Saúde (OMS)

O governo Biden se comprometeu a retornar imediatamente à OMS e a liderar os esforços no combate ao coronavírus. Antes de Trump, os EUA tinham grande influência nessa importante autoridade de saúde pública, contribuindo com 15% de seu orçamento. Em 7 de julho de 2020, porém, o presidente americano anunciou que o país iria se retirar da organização – que, entre outras coisas, coordena os testes de vacinas globais – em 6 de julho de 2021.

No início de novembro, os EUA registram o maior número de infecções por coronavírus num único país (quase 10 milhões), bem como recorde de mortes (237 mil), com infecções e mortes globais em mais de 50 milhões e 1,2 milhão, respectivamente.

Nações Unidas

Trump ameaçou deixar as Nações Unidas, embora até agora os EUA só tenham deixado duas instituições integrantes da organização: o Conselho de Direitos Humanos (UNHRC) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Em ambos os casos, a justificativa foi um suposto tratamento injusto dado ao aliado Israel.

Em 19 de junho de 2018, a embaixadora da ONU Nikki Haley chamou o UNHRC de "uma organização hipócrita e egoísta que zomba dos direitos humanos", apontando para o que ela chamou de "preconceito crônico contra Israel" e se opondo à presença de China, Cuba e Venezuela no conselho. Os EUA exigiram reformas do órgão e várias vezes se desentenderam com ele por causa de Israel.

Como motivo para a retirada da Unesco, o governo Trump mencionou divergências na escolha de locais como Patrimônio Cultural da Humanidade. EUA e Israel disseram que vínculos históricos judaicos foram ignorados nas decisões, que ainda tocaram em questões mais profundas de soberania internacional coma declaração da velha cidade de Hebron e do  Túmulo dos Patriarcas como locais palestinos.

Os EUA já haviam deixado a Unesco em 1984, sob o governo de Ronald Reagan, e retornaram novamente em 2002, no governo de George W. Bush. Os pagamentos foram congelados por nove anos sob o governo de Barack Obama, mas os EUA mantiveram sua adesão.

Biden é um forte apoiador de Israel e recebeu bem os acordos recentes entre a nação judaica e os Emirados Árabes Unidos, mas seu governo provavelmente fará pressão para impedir a construção de assentamentos israelenses e anexações, além de ser um defensor mais explícito das necessidades dos palestinos na ONU.

OMC e Otan

Outras questões que Biden abordará incluem a situação das relações comerciais, bem como a Organização Mundial do Comércio (OMC).

Na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Biden buscará superar divergências criadas e expandir a cooperação, mas os objetivos de política externa permanecerão os mesmos.

Resta saber se ele conseguirá recuperar a confiança e ser bem-sucedido na conquista dos objetivos por ele declarados: "Promover a segurança, a prosperidade e os valores dos Estados Unidos, tomando medidas imediatas para restaurar a nossa própria democracia e nossas alianças, proteger nosso futuro econômico e, mais uma vez, colocar os Estados Unidos na dianteira, liderando o mundo no enfrentamento dos desafios globais mais urgentes" – ou se o mundo mudou nos últimos quatro anos.
 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados