1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Vladimir Putin
"A Ucrânia é usada como um instrumento para conter a Rússia", afirmou PutinFoto: Yuri Kochetkov/AP Photo/picture alliance
PolíticaRússia

As acusações de Putin contra os EUA e seus aliados

2 de fevereiro de 2022

Pela primeira vez em semanas, presidente russo se manifesta sobre crise envolvendo a Ucrânia e acusa EUA e países do Ocidente de ignorarem demandas de Moscou e tentarem arrastar a Rússia para uma guerra.

https://www.dw.com/pt-br/as-acusa%C3%A7%C3%B5es-de-putin-contra-os-eua-e-seus-aliados/a-60632533

Em suas primeiras declarações públicas em mais de um mês sobre a atual crise envolvendo a Rússia e a Ucrânia, o presidente russo, Vladimir Putin, fez uma série de acusações contra os Estados Unidos e seus aliados nesta terça-feira (01/02).

Washington e a Otan estimam que cerca de 100 mil soldados russos estão estacionados perto da fronteira com a Ucrânia, o que despertou temores de uma invasão.

Moscou nega ter qualquer intenção de invadir o país vizinho, mas afirmou que poderia adotar ações militares não especificadas caso suas demandas de segurança não sejam atendidas. Países ocidentais, por sua vez, afirmaram que Moscou seria alvo de sanções caso investisse contra a Ucrânia.

Putin não se manifestava sobre a crise ucraniana desde 23 de dezembro, enquanto diplomatas da Rússia e do Ocidente participaram de várias rodadas de conversas na tentativa de reduzir as tensões.

A seguir, as principais declarações de Putin:

"Ocidente ignorou as preocupações da Rússia"

Usando um tom desafiador, o líder russo sinalizou não estar disposto a recuar em relação a demandas de segurança de Moscou que foram rejeitadas formalmente pelos EUA e pela Otan na semana passada. Estas incluem as exigências de que a Ucrânia não seja aceita como membro da aliança atlântica e que esta reduza sua presença militar no Leste Europeu.

 "As principais preocupações da Rússia foram ignoradas", afirmou Putin numa entrevista ao lado do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, que visitou Moscou nesta terça.

A Rússia argumenta que a expansão da Otan para o Leste ameaça a Rússia e violaria o princípio endossado em 1999 e 2010 pela Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), a qual incluiu os EUA e o Canadá, de que nenhum país pode reforçar sua própria segurança em detrimento de outros.

"Deveríamos lutar contra a Otan?"

O presidente russo descreveu um potencial cenário futuro no qual a Ucrânia ingressaria na Otan e então tentaria reaver o controle sobre a península da Crimeia, que a Rússia anexou em 2014, e sobre áreas dominadas por separatistas pró-Rússia no leste ucraniano.

"Imaginem se a Ucrânia se tornar membro da Otan e lançar tais operações militares. Deveríamos lutar contra a Otan, então? Alguém pensou sobre isso? Aparentemente não", disse.

"Ucrânia é instrumento para conter a Rússia"

As declarações feitas por Putin nesta terça refletem uma visão de mundo na qual a Rússia tem que se defender dos EUA, um país agressivo e hostil. Para o líder russo, Washington não considera a segurança da Ucrânia uma prioridade

"Sua tarefa mais importante é conter o desenvolvimento da Rússia", afirmou. "A Ucrânia é apenas um instrumento pra alcançar esse objetivo."

"EUA querem nos arrastar para um conflito armado"

"Isso pode ser feito de diferentes maneiras, arrastando-nos para algum tipo de conflito armado e, com a ajuda de seus aliados na Europa, forçando a introdução contra nós daquelas duras sanções das quais eles estão falando nos Estados Unidos."

Outra opção, segundo Putin, seria "arrastar a Ucrânia para a Otan, enviar armas ofensivas para lá" e encorajar nacionalistas ucranianos a usar a força para retomar o leste das mãos dos separatistas ou a Crimeia. 

Para o presidente russo, a possibilidade de a Ucrânia aderir à Otan ameaça não apenas a Rússia, mas também a paz mundial.

"Encontrar solução não será fácil"

Putin afirmou que é possível negociar um fim para as tensões se os interesses de todas as partes, incluindo as preocupações de segurança da Rússia, forem levadas em consideração.

"Espero que eventualmente encontremos uma solução, embora saibamos que isso não será fácil", declarou.

Também nesta terça-feira, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, insistiu por telefone com seu homólogo russo, Serguei Lavrov, pela retirada imediata dos soldados e armamentos da fronteira russa com a Ucrânia.

Blinken reiterou que uma invasão da Ucrânia pela Rússia teria consequências graves e pediu que Moscou continuasse adotando um caminho diplomático para resolver a crise.

 A Casa Branca afirmou que o presidente Joe Biden e Putin poderão conversar assim que os EUA receberem uma resposta de Moscou à proposta feita por Washington de negociar outros temas, como a adoção de medidas que poderiam incluir a redução do arsenal de mísseis na Europa, além de outros meios para restabelecer a confiança mútua.

Segundo Putin, o Kremlin ainda está analisando a proposta de Washington.

lf/as (Reuters, AP)