Artistas na mira do governo cubano | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 31.08.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

América Latina

Artistas na mira do governo cubano

Decreto proíbe conteúdos que sejam "obscenos", "vulgares" ou "prejudiciais aos valores éticos e culturais". Jurista fala em censura prévia, e Anistia Internacional critica restrições à expressão artística.

Campanha contra o Decreto 349 em Cuba

Campanha contra o Decreto 349 em Cuba

A cena artística de Cuba está em alvoroço. Como parte da campanha #NoAlDecreto349, artistas estão organizando abaixo-assinados, recitais e concertos, enviando cartas abertas ao governo e divulgando vídeos de rap no YouTube.

Um deles, a curadora Yanelys Núñez, lambuzou-se com excrementos numa ação performática diante do Parlamento cubano, após a prisão de seu companheiro, Luis Manuel Otero, que originalmente deveria ter realizado a performance artística.

As ações de protesto dos artistas se dirigem contra o Decreto 349. Trata-se de uma censura prévia sistemática a qualquer iniciativa cultural independente que escape do controle do Estado, afirma a advogada cubana Laritza Diversent, que, a partir do exílio, presta assessoria legal ao movimento de protesto.

O decreto, assinado pelo novo presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, em abril de 2018 foi publicado em julho e deverá entrar em vigor em dezembro. A partir de então, a realização de qualquer atividade artística no espaço público ou privado, seja ela organizada de forma estatal ou não estatal, ficará sujeita à avaliação prévia e à aprovação pelo Ministério da Cultura, como também à apreciação posterior de "tutores" e inspetores independentes.

Segundo a Anistia Internacional, as disposições do Decreto 349 são "restrições vagas e excessivamente amplas à expressão artística". O decreto proíbe conteúdos que sejam "obscenos", "vulgares" ou "prejudiciais aos valores éticos e culturais", como também "qualquer outro conteúdo que viole as leis que regem o desenvolvimento normal de nossa sociedade em questões culturais".

Kuba Kampagne gegen den Dekret § 349 (#NoAlDecreto349/Amaury Pacheco)

Poeta Amaury Pacheco organiza campanha #NoAlDecreto349

O decreto inclui ainda questões que, até agora, haviam sido abordadas somente de forma parcial pela legislação cubana, como a punição da discriminação por motivo de deficiência, raça, sexo ou orientação sexual. "O instrumento da censura prévia não é adequado para tais coisas", considera Diversent.

Além disso, o decreto atinge não apenas os artistas, mas todos os cidadãos, pois "limita a liberdade de buscar, receber e transmitir informações e ideias de todos os tipos", incluindo a liberdade de expressão, acrescenta Diversent. "O Estado não deve definir o que é arte ou não", afirma a advogada.

Desde a publicação do decreto, artistas que se manifestam contra a medida têm sido detidos de forma arbitrária, intimados diariamente a comparecer à polícia, obrigados a pagar multas e seus telefonemas foram interceptados, denunciam Yanelys Núñez e Luis Manuel Otero. Famílias têm sido ameaçadas de confisco de suas casas ou perda de seus empregos, afirmam.

Otero adverte que o decreto pode vir a criminalizar e a abolir a liberdade artística, como no caso da galeria de arte El Círculo, de Lía Villares e Luis Trápaga, que sofreu um ataque no início deste ano. O festival Poesía sin fin, de Amaury Pacheco, ou o projeto Incubación, do rapper Soandry del Rio, já caíram na mira das autoridades, diz o artista.

Futuramente, o governo pode vir a rejeitar iniciativas e expressões artísticas por serem "contraculturais" ou "controversas", como acontece atualmente com o reggaeton ou como ocorreu no passado com a rumba, aponta Otero.

"Arte ruim" e "estética falsa"

O governo chama os manifestantes de "artistas" – com aspas. Um artigo da revista cultural pró-governo La Jiribilla refere-se a eles como artistas amadores que ocupam o espaço público e "ridicularizam a difícil tarefa da educação cultural".

O autor do artigo insinua que os oposicionistas são financiados a partir "do exterior" e que o decreto protegeria os "verdadeiros artistas" de "charlatões, da arte ruim e da estética falsa".

Kuba Kampagne gegen den Dekret § 349 (#NoAlDecreto349/Amaury Pacheco)

Yanelys Núñez lambuzou-se de excrementos em ação de protesto diante do Parlamento cubano

Nos últimos anos, o governo cubano proibiu a exibição de filmes e documentários polêmicos, como Santa y Andrés, de Carlos Lechuga; Quiero hacer una película, de Yimit Ramírez; ou Nadie, de Miguel Coyula.

Eventos culturais independentes, como o festival de hip hop no distrito de Alamar, em Havana, e o festival de música eletrônica na praia de Rotilla, foram suspensos.

Otero e Núñez dizem temer que, com o Decreto 349, a velha máxima da política cultural cubana extraída de um discurso do ex-presidente Fidel Castro de 1961 – "Dentro da Revolução, tudo; contra a Revolução, nada" – converta-se finalmente em lei.

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp

 | App | Instagram | Newsletter

Leia mais