Artista franco-americana Louise Bourgeois morre aos 98 anos | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 01.06.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Artista franco-americana Louise Bourgeois morre aos 98 anos

Uma das artistas contemporâneas mais conceituadas, francesa radicada em Nova York, deixa lacuna no cenário das artes e legado inestimável no debate sobre o papel da mulher na sociedade ao longo do últimos séculos.

default

Louise Bourgeois era considerada uma das "grandes damas" da arte contemporânea, cujas obras fazem parte do acervo dos mais importantes museus do mundo, entre os quais o MoMA de Nova York, o Centro Georges Pompidou de Paris ou a Tate Modern, em Londres.

Nascida em 1911, Bourgeois estudou Artes em Paris, sua cidade-natal, nos anos 1930, tendo sido aluna, entre outros, de Fernand Léger. Em 1938, deixou a França com o seu marido, o historiador da arte norte-americano Robert Goldwater, com quem se mudou para Nova York.

Apesar de insistir sempre que sua arte era fruto "da experiência nova-iorquina", Bourgeois creditava à sua infância na França todo o fundamento de seu trabalho. No país onde nasceu, dizia ela, "aconteceu tudo o que para mim é importante. Toda a minha motivação, meu prazer e meu sofrimento vêm de lá. Sua concretização, porém, é americana", explicou a artista há poucos anos à telemissora de língua alemã 3 Sat.

Repertório recolhido da infância

O fato de que a força-motriz de criação de Bourgeois tenha residido em sua infância pode ser sentido em várias de suas obras, algumas delas diretamente associadas às figuras do pai e da mãe. Celas, uma série de instalações que deu à artista reconhecimento internacional no fim dos anos 1980, é composta por grandes jaulas metálicas, cujo conteúdo remete à infância da artista e a seu papel de esposa.

Louise Bourgeois Flash-Galerie

Retrospectiva da obra da artista no Centro Georges Pompidou, em Paris

Em Cela Nr. 7, por exemplo, o observador se depara com uma réplica da casa dos pais de Bourgeois, com uma aranha de bronze representando a figura da mãe, camisolas antigas e uma cama na qual se encontra um objeto perfurado por pregos. "Minha mãe era minha melhor amiga: sensata, paciente, consoladora, sutil, empenhada, indispensável e sobretudo uma tecedeira, como uma aranha", esclareceu a artista em conversa sobre a obra.

Em 1974, a artista, 20 anos após a morte de seu pai dominador, reverenciou-o com Destruição do Pai, refeição canibal numa caverna iluminada por sombria luz vermelha. Bonecas gigantes, em sua maioria com seios fartos e enormes genitais femininos acentuaram na obra de Bourgeois uma discussão sobre o papel de vítima da mulher na sociedade, confirmando mais uma vez o rótulo de "artista feminista radical" atribuído a ela.

Noites de insônia

Várias de suas obras foram sendo construídas em noites sem dormir, contou a artista em 2005, já em idade avançada. "Sofro de insônia, o que é terrível. Convivo com a insônia e não tomo tranquilizantes. Trabalho nos meus desenhos à noite, na cama, debruçada sobre travesseiros. Às vezes ouvindo um pouquinho de música ou o ruído da rua. Guardo cuidadosamente meus desenhos. Eles me fazem relaxar e me ajudam a dormir", dizia a artista.

Louise Bourgeois Skulptur London Flash-Galerie

A aranha gigante de Bourgeois em frente à Tate Modern, em Londres

"A arte de Louise é extremamente pessoal e íntima e somente nos últimos anos é que se tornou aceitável que o artista expresse, em seu trabalho, seu íntimo e suas experiências pessoais através da obra", anotava em 1993 o diário Süddeutsche Zeitung a respeito do trabalho da artista.

Mitos e fábulas

A chave para compreensão do trabalho de Louise Bourgeois, assinala o diário Frankfurter Allgemeine Zeitung, está na associação de suas obras com os mitos e as fábulas. Principalmente em seus trabalhos posteriores, diz o jornal, "voltam muitas peças conhecidas, que marcam simbolicamente todas as fábulas europeias", entre as quais os espelhos, frágeis recipientes de vidro, agulhas grandes e objetos de tecelagem.

Louise Bourgeois Flash-Galerie

Escultura de Louise Bourgeois no Walters Art Museum de Baltimore

"As fábulas são crueis. E Louise Borgeois as adorava", conclui o jornal, resgatando as palavras Arthur Miller, um de seus grandes e antigos amigos, apreciador da "sinceridade de Louise frente a seus sonhos e à sua mais particular visão": É aí que mora a beleza da intensidade que sua arte emana", disse o escritor.

Mostra em Berlim

Em Berlim, o museu da Coleção Scharf-Gesternberg apresenta até o próximo 15 de agosto uma mostra da obra de Louise Bourgeois e do surrealista Hans Bellmer (1902-1975), embora os dois nunca tenham se encontrado pessoalmente.

Double Sexus, o título da exposição, cria um diálogo entre as perspectivas masculina (do alemão Bellmann) e feminina (de Bourgeois) sobre o corpo humano e, consequentemente, sobre temas como sexualidade, gênero e os papéis de cada um na sociedade. Um programa de palestras, leituras cênicas e encenações acompanha a exposição.

SV/dpa/ap
Revisão: Simone Lopes

Leia mais