Artigo em jornal britânico está na origem da fundação da Anistia Internacional | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 28.05.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Artigo em jornal britânico está na origem da fundação da Anistia Internacional

Lutar pela libertação de presos políticos: a partir dessa ideia foi criada em 1961 a Anistia Internacional, hoje a maior organização de defesa dos direitos humanos no mundo.

default

Anistia Internacional: 50 anos de luta contra arbitrariedades

"Abra o seu jornal em qualquer dia da semana e você vai encontrar uma reportagem de algum lugar no mundo de alguém sendo preso, torturado ou executado porque suas opiniões ou religião são inaceitáveis ​​para seu governo." Com essas linhas e o apelo aos leitores para escreverem cartas ao governo, cobrando a libertação de prisioneiros políticos, começa o artigo The Forgotten Prisoners (os prisioneiros esquecidos] na edição do jornal britânico The Observer de 28 de maio de 1961. O texto, publicado pelo advogado londrino Peter Benenson, dá início à história de fundação da Anistia Internacional.

O apelo de Benenson no Observer foi reproduzido em jornais de 30 países, e em poucas semanas mais de mil ativistas interessados responderam a ele. Num primeiro encontro internacional, em meados de julho de 1961 em Luxemburgo, representantes da Bélgica, do Reino Unido, da França, da Alemanha, da Irlanda, da Suíça e dos Estados Unidos fundavam a Anistia Internacional, como um "movimento internacional permanente em defesa da liberdade de expressão e de religião".

Início na fase quente da Guerra Fria

A fundação de uma representação da Anistia Internacional na então Alemanha Ocidental ocorreu quase simultaneamente, durante o Congresso pela Liberdade da Cultura, na cidade de Colônia, do qual participaram numerosos escritores e jornalistas. Os principais fundadores foram a jornalista Carola Stern, morta em 2006, o escritor Wolfgang Leonhard, e o correspondente internacional do canal de televisão estatal ARD, Gerd Ruge. "Era o auge da Guerra Fria, os conflitos e desconfianças entre Oriente e Ocidente se intensificavam cada vez mais", recorda Ruge. "Mas ao mesmo tempo havia muitas pessoas que queriam ajudar os presos políticos e as pessoas em perigo, sem se deixar instrumentalizar por um ou outro lado."

Para essas pessoas, a ideia surgida em Londres vinha na hora certa: cada grupo local da Anistia deveria acompanhar três presos políticos: um do bloco comunista, outro do bloco capitalista e um do chamado Terceiro Mundo.

Deutschland PK 50 Jahre Amnesty International AI Gerd Ruge

Gerd Ruge, co-fundador da seção alemã

Desconfiança por todos os lados

O apartidarismo e o exclusivo comprometimento com a Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 1948, fizeram com que a entidade e seus ativistas fossem frequentemente vistos com desconfiança por todos os lados. No Ocidente eram vistos por muitos políticos e meios de comunicação como a quinta coluna comunista; no Leste, como um fantoche do imperialismo. Mas, ao final, a organização teve sucesso. Dos quatro mil presos do mundo inteiro acompanhados pela Anistia Internacional nos seus dez primeiros anos, dois mil foram libertados. Em 1977, a organização recebeu o Prêmio Nobel da Paz.

Hoje, a Anistia Internacional é muito mais que "apenas" uma organização de ajuda a prisioneiros. Com sua persistente campanha contra a pena de morte, lançada em 1977, organização tem contribuído para que cada vez mais países eliminassem essa forma "legal" de assassinato estatal e que o número de execuções caísse em todo o mundo.

Em 1985, a Anistia Internacional ampliou a própria área de atuação para o auxílio de refugiados e exilados. E com a sua campanha contra a impunidade, iniciada em 1993, contribuiu, ao lado de muitas outras organizações não governamentais, para a criação do Tribunal Penal Internacional, em 1998, possibilitando o julgamento e punição de crimes contra a humanidade, genocídios e crimes de guerra cometidos em qualquer parte do globo.

O mais recente sucesso dessa persistência: em fevereiro deste ano, o ex-presidente dos EUA George W. Bush teve que cancelar uma viagem a Genebra planejada havia meses, porque aparentemente temia ser preso ou pelo menos que houvesse um acontecimento midiático. É que a Anistia Internacional havia registrado uma queixa contra o político americano junto às autoridades suíças, denunciando crimes de tortura em Guantánamo e em outras prisões dos EUA.

Peter Benenson, fundador da entidade

Peter Benenson, fundador da entidade

Desde 2003, a Anistia Internacional luta não só por direitos humanos políticos, mas também econômicos, sociais e culturais. Uma campanha atual aborda a marginalização de pessoas por causa da pobreza, bem como o direito à moradia adequada.

Representações em 61 países

Com mais de 3 milhões de membros e colaboradores regulares em mais de 150 países, a Anistia Internacional é hoje a maior das cerca de 300 organizações de defesa dos direitos humanos existentes no mundo, com seções em 61 países, a maioria delas na Europa e nas Américas.

O trabalho dessa entidade que completa meio século continua sendo tão importante hoje quanto na época em que foi fundada. Prova disso são os ataques, muitas vezes virulentos, que a Anistia Internacional sofreu nos últimos cinco anos de governos em Tel Aviv, Teerã, Riad, Kinshasa, Pequim, Hanói, Moscou e Washington, entre outros. Pouca coisa mudou no tratamento que certos Estados dedicam a seus cidadãos, de forma que hoje o mesmo texto de Peter Benenson poderia ser novamente impresso sem muitas mudanças.

Autor: Andreas Zumach (md)
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais