Argentina contesta na Justiça perfuração de petroleiras nas Malvinas | Notícias internacionais e análises | DW | 17.04.2015

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Argentina contesta na Justiça perfuração de petroleiras nas Malvinas

Secretário argentino para o arquipélago diz que governo de Cristina Kirchner está determinado a recorrer ao "direito nacional e internacional" para evitar exploração. Governo britânico acusa país de "bullying".

A Argentina anunciou nesta sexta-feira (17/04) ter dado início a um processo judicial num dos tribunais do país contra cinco empresas – três delas britânicas – que estão fazendo perfurações para extrair petróleo e gás nas Ilhas Malvinas, aumentando a tensão diplomática com o Reino Unido envolvendo o território.

O secretário argentino de Assuntos Relacionados às Ilhas Malvinas, Daniel Filmus, afirmou, durante uma entrevista coletiva concedida em Londres, que um juiz da cidade de Rio Grande concordou em analisar o caso. "A Argentina vai utilizar toda a força do direito nacional e internacional para evitar que os recursos argentinos sejam explorados", afirmou Filmus na casa da embaixadora em Londres, Alicia Castro.

O governo da presidente Cristina Kirchner considera "ilícita" toda exploração de recursos em águas territoriais do arquipélago, sob possessão inglesa desde 1833. Filmus destacou ainda que, segundo a lei de seu país recentemente reformada pelo Parlamento, a exploração petrolífera ilegal prevê pena entre cinco e dez anos de prisão.

Para o secretário britânico do Exterior, Philip Hammond, o anúncio é um "bullying ultrajante". "Esta é uma ameaça contra o perfeito direito dos habitantes das ilhas Falkland de desenvolver seus próprios recursos econômicos", declarou Hammond em entrevista ao canal Sky News. "A Argentina precisa parar com este tipo de comportamento e começar a agir como um membro responsável da comunidade internacional."

No início deste mês, as empresas Premier Oil e Falkland Oil iniciaram as perfurações no primeiro poço da região após anunciarem ter encontrado petróleo e gás.

Localizado a 400 km da costa argentina, o arquipélago das Malvinas – ou Falkland, como é chamado no Reino Unido – foi motivo de uma guerra entre Argentina e Reino Unido em 1982, deixando mais de 600 argentinos e 250 ingleses mortos. A derrota do país sul-americano acabou por selar o fim da ditadura militar no país à época.

Nos anos seguintes, os desentendimentos entre as duas partes continuaram, ficando mais intensos no governo Kirchner. Em março de 2013, os moradores das Malvinas votaram a favor de permanecer como colônia britânica num referendo.

MSB/rtr/afp

Leia mais