Ano de 2020 iguala recorde de temperatura de 2016 | Meio Ambiente | DW | 08.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Meio ambiente

Ano de 2020 iguala recorde de temperatura de 2016

Apesar dos lockdowns globais, 2020 teve aumento médio da temperatura de 1,25 ºC em relação à era pré-industrial, assim como 2016. Europa tem o ano ainda mais quente já registrado.

Perfil de pessoa correndo contra o sol poente

Década passada foi a mais quente já registrada no planeta

O ano de 2020 foi o mais quente já registrado no mundo, juntamente com 2016, finalizando uma década de temperaturas recorde que evidenciam a urgência de uma atuação contra o aquecimento global, afirmou nesta sexta-feira (08/01) o Copernicus, serviço da União Europeia de monitoramento das mudanças climáticas.

O aumento médio da temperatura global foi de 1,25 ºC em relação à era pré-industrial, tal como 2016. Os anos de 2014 a 2020 foram os mais quentes já registrados, sendo que 2020 e 2016 alcançaram o recorde para um ano isolado.

Os cientistas apelaram para que governos e empresas diminuam drasticamente suas emissões, a fim de que haja uma chance de se alcançarem as metas do Acordo de Paris de 2015 e de evitar uma catastrófica crise climática.

"Os eventos climáticos extraordinários de 2020 e os dados do Serviço de Alterações Climáticas Copernicus nos mostram que não temos tempo a perder", alertou Matthias Petschke, diretor do Programa Espacial da Comissão Europeia, braço executivo da UE.

Europa tem recorde de temperatura

Já a Europa teve seu ano mais quente já registrado, com um aumento de 0,4 ºC em relação ao recorde de 2019, enquanto a Alemanha viu seu segundo ano mais quente, de acordo com o Serviço Meteorológico Alemão.

Em 2020 registrou-se um aumento de 0,6 ºC em relação às temperaturas médias entre 1981 e 2010. O maior salto foi visto no Oceano Ártico e no norte da Sibéria, onde as temperaturas atingiram um nível sem precedentes de 6 ºC acima da média anterior.

O relatório também revelou que as emissões de dióxido de carbono continuaram a aumentar, atingindo um novo máximo de 431 partes por milhão no fim do ano.

Sem ajuda de El Niño

Os números são particularmente alarmantes porque em 2020 foram alcançados sem a ajuda do evento climático El Niño, que somou ente 0,1 e 0,2 ºC ao recorde de 2016, de acordo com a Nasa e o serviço estatal de meteorologia do Reino Unido.

"É claro que sem os impactos de El Niño e de La Niña nas respectivas temperaturas de 2016 e 2020, este ano teria sido o mais quente já registrado", disse à agência de notícias AFP Zeke Hausfather, diretor de clima e energia do Breakthrough Institute em Oakland, Califórnia.

O aumento da temperatura acarretou outros eventos climáticos extremos, como secas, ondas de calor e inundações. Em 2020, o mundo também foi atingido por um número recorde de furacões no Atlântico, a ponto de a Organização Meteorológica Mundial (OMM) ficar sem letras para nomeá-los.

Recorde apesar de lockdown

Em 2015, o mundo concordou em manter o aumento da temperatura global em relação à era pré-industrial "bem abaixo" de 2 ºC, e se possível abaixo de 1,5 ºC. Um relatório do painel consultivo da ONU para o clima, o IPCC, não deixou dúvidas de que um aumento de 1,5 ºC seria desastroso.

O recorde de 2020 é registrado apesar dos bloqueios globais devido à pandemia de coronavírus, que levaram a uma queda dramática de 7% nas emissões.

"Como o CO2 se acumula na atmosfera como a água numa banheira, se fecharmos a torneira 7%, o nível de CO2 sobe um pouco mais lentamente", explicou Stefan Rahmstorf, diretor no Instituto Potsdam de Pesquisa de Impacto Climático à agência de notícias AFP. "Precisamos fechar a torneira para conseguir um clima estável novamente."

No entanto, as emissões seguiram uma tendência ascendente em 2019, e o desejo dos governos de todo o mundo de voltar às atividades econômicas normais não é um bom presságio. Mesmo se todos os países cumprissem suas promessas do Acordo de Paris, a temperatura global ainda aumentaria 3 ºC até o final do século.

"O mundo está aquecendo a uma taxa constante de cerca de 0,2 ºC por década desde 1970, devido às emissões humanas de CO2 e outros gases do efeito estufa", observou o climatologista Zeke Hausfather. "Se continuarmos em nossa taxa atual, passaremos de 1,5 ºC em meados da década de 2030."

MD/efe,afp,dpa

Leia mais