Anistia Internacional vê seguranca pública como principal problema na AL | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 27.05.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Anistia Internacional vê seguranca pública como principal problema na AL

Em novo relatório, Anistia Internacional aponta casos de tortura e maus tratos em pelo menos 111 países. No Brasil, relatório critica violência policial e elogia esforços para esclarecer crimes da ditadura.

default

Violência contra a mulher: problema recorrente

Em 55 dos países apontados pela Anistia Internacional (AI), detentos são submetidos a processos injustos; em 48 nações há presos políticos e em nada menos que 96 países do mundo a liberdade de expressão é cerceada.

Esses são os dados do último relatório anual da Anistia Internacional, divulgado nesta quinta-feira (27/05). Em suma, segundo a organização, os direitos humanos são feridos em 159 países.

Segurança pública

Em relação à América Latina, a AI ressalta a segurança pública como fator preocupante. "O índice de homicídios de homens e mulheres continuou subindo, especialmente no México, Guatemala, Honduras, El Salvador e Jamaica. Milhões de pessoas nos bairros pobres da América Latina e do Caribe são vítimas de ações de bandos criminosos e de represálias discriminatórias e corruptas dos donos do poder", diz o relatório.

A violência sexual contra a mulher bem como o recrutamento compulsório de crianças são outros dos problemas graves vistos pela organização no continente latino-americano.

Brasil: violência policial

Em relação ao Brasil especificamente, a AI observou reformas limitadas em prol de um avanço da segurança pública – prova de que os departamentos competentes têm consciência de que este setor encontra-se há muito abandonado.

Segundo o relatório, no Brasil, a polícia continua fazendo uso de uma "violência excessiva", sendo responsável pela execução de vítimas sem qualquer processo penal e pelo uso da tortura.

Mafiaterror in Brasilien Polizeikontrolle in Sao Paulo

Grandes cidades latino-americanas: violência gera violência

Além disso, a AI alerta acerca da violência contra comunidades indígenas, trabalhadores sem-terra e pequenas comunidades rurais que lutam por seus direitos de propriedade. Ativistas que se engajam pelos direitos humanos continuam, no Brasil, sendo vítimas de ameaças e de processos judiciais politicamente motivados, diz a AI.

Quanto à violação dos direitos humanos durante o governo militar (1964-1985), o relatório apontou que, apesar da resistência de alguns grupos, cada vez mais esforços têm sido realizados para abolir a impunidade de anos em relação a crimes cometidos durante o regime militar.

Sudão e Afeganistão

Um dos exemplos a serem seguidos em defesa dos direitos humanos no mundo foi o mandado de prisão contra o presidente do Sudão, Omar el Bashir, pelo Tribunal Penal Internacional, explicita a AI. Segundo Monika Lüke, secretária-geral da organização na Alemanha, o processo movido contra o presidente, ainda em exercício, foi um "golpe de mestre" em prol dos direitos humanos.

Já a situação no Afeganistão, de acordo com o relatório da AI, é "sombria". No país, segundo o relato, a população civil continua sendo "vítima dos talibãs, de outros grupos armados e das forças internacionais". Para Lüke, o governo do presidente Karzai "despreza os direitos humanos".

Rússia, China e Irã

Outros países nos quais a situação se agravou no último ano são a Rússia, a China e o Irã, aponta o relatório. Desde as eleições presidenciais iranianas, em junho de 2009, membros da oposição e defensores dos direitos humanos vêm sendo perseguidos no país, com cada vez mais intensidade. De acordo com a AI, há no Irã um total de até cinco mil críticos do regime detidos e "sempre sob a ameaça de serem torturados".

Na Rússia, aponta o relatório, defensores dos direitos humanos são ameaçados de morte sob o governo do presidente Dmitri Medvedev. A situação no país, segundo a AI, é "devastadora".

Alemanha: extradição irregular de estrangeiros

Também o governo alemão levou um puxão de orelha da organização pelo fato de não existir no país uma política contra a deportação de estrangeiros de volta a Estados que praticam a tortura.

Em relação ao governo de Barack Obama, a AI aponta que os EUA não fecharam, como prometido, o campo de prisioneiros de Guantánamo dentro de um ano. A Alemanha recebeu elogios neste contexto pela disposição em receber ex-prisioneiros do campo.

Além disso, o relatório da AI cita os 52 casos de pena de morte levados a cabo nos EUA no ano de 2009. "Esse foi o número mais alto de execuções desde 2006, embora esse número esteja muito abaixo daqueles registrados na década de 1990", relata o documento.

Lüke conclamou o governo alemão a continuar evitando a extradição de estrangeiros para países como a Tunísia e a Síria. "Decepcionante continua sendo o fato de que políticos ainda não reconheceram que pessoas não devem ser extraditadas para países que praticam a tortura", conclui a secretária-geral da AI na Alemanha.

SV/dpa/afp

Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais