Análise: Coronavírus não é único culpado pela queda do real | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 06.03.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Análise: Coronavírus não é único culpado pela queda do real

Nenhuma outra moeda perdeu tanto valor como o real desde o início do ano. O vírus que apavora os investidores tem apenas parte da culpa: os brasileiros perderam a confiança em sua própria economia.

O real foi a moeda que mais se desvalorizou em relação ao dólar nos últimos tempos, não importa que período seja considerado: se desde o início do ano, se desde que o novo coronavírus amedronta os investidores ou se desde a última semana.

Nenhuma outra moeda perdeu tanto valor. Para o Brasil, trata-se da mais longa fase de queda no câmbio desde a trágica desvalorização de 1999, que levou a um recomeço total na política monetária do país.

Claro que também outras moedas de mercados emergentes caíram muito nos últimos dias. O principal motivo é óbvio: principalmente o novo coronavírus freia o crescimento mundial, implode a cadeia produtiva e derruba os mercados financeiros.

Só assim pode-se explicar a queda dos juros nos Estados Unidos, que não estava prevista e que desatou reações de pânico também entre os investidores nas nações industrializadas.

Só que, no caso do Brasil, há também motivos caseiros para a queda da moeda. Eles podem ser resumidos numa expressão: a crescente e ampla perda de confiança de investidores, consumidores e empresários na economia e no futuro do país.

É a perda de confiança na capacidade de crescimento da economia, na política econômica do governo e nas ações do Banco Central. E também a perda de confiança de que, mesmo se a economia estiver crescendo devagar, pelo menos os fundamentos dela ainda estão sólidos.

É o temor de que os preços dos produtos agrícolas se estabilizem num nível baixo – afetando assim os únicos produtos de exportação com os quais o Brasil é competitivo.

É uma mistura tóxica, cujos efeitos se alimentam reciprocamente.

Os termômetros nas bolsas e nos mercados financeiros capturam à perfeição essa perda de confiança: por exemplo os chamados credit default swap, que tiveram grande alta nos últimos dias. Investidores que querem se proteger dos riscos de investir nos mercados financeiros precisam pagar nesta sexta-feira (06/03) muito mais do que no início da semana.

Os juros de longo prazo subiram, e isso apesar de o Banco Central ter anunciado que considera reduzir a Selic. Isso significa que os investidores calculam que o período de turbulência vai durar e deve ficar ainda pior.

E ainda: os estrangeiros já retiraram quase 45 bilhões de reais da Bovespa em 2020. Isso já é mais do que o valor retirado durante todo o ano de 2008, até então o maior da história. O Ibovespa já perdeu mais da metade do seu valor em dólar desde o ápice de maio de 2018. A queda no ano já passa de 15%.

Ainda é muito cedo para avaliar o que a desvalorização do real vai significar para a economia. Por um lado, uma moeda mais fraca protege a indústria brasileira dos produtos importados, que se tornam mais caros. O real mais fraco também é uma vantagem para as empresas brasileiras, que se tornam mais competitivas no mercado mundial porque seus produtos ficam mais baratos.

Só que uma alta nas exportações pode nem mesmo vir a acontecer diante de uma possível desaceleração da economia mundial e da queda dos preços da soja, do milho e do açúcar.

Um efeito negativo da desvalorização do real é que a indústria brasileira passa a ter mais dificuldades para importar máquinas industriais, pois elas ficam mais caras, para assim se modernizar e elevar a produtividade.

Também as dívidas das empresas brasileiras no exterior (em moeda estrangeira, portanto) ficaram bem mais caras quando convertidas em reais. É possível que, diante disso, algumas empresas venham a ter dificuldades para honrar seus compromissos.

Para os fundamentos da economia brasileira, tudo isso significa que: o déficit da balança comercial continuará em cerca de 3% do PIB, o que é relativamente alto, e continuará enfraquecendo o real por causa da carência de dólares. Os elevados déficits no orçamento também continuarão pressionando a moeda brasileira.

O papel do Banco Central como bombeiro é fundamental: ele terá que decidir se vai mesmo cortar os juros. Isso poderia acelerar a conjuntura se houver uma estabilização. No curto prazo, porém, uma queda da Selic poderá fazer com que ainda mais investidores troquem o real pelo dólar, para enviar os recursos para fora do país. Isso pode favorecer ainda mais a desvalorização do real. A decisão não será nada fácil para a autoridade monetária em Brasília.

_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter