1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Desmatamento na Amazônia
No primeiro semestre, foram desmatados 3.988 quilômetros quadrados na Amazônia brasileiraFoto: picture alliance/dpa/ZUMA Press Wire

Amazônia tem recorde de desmatamento para junho

8 de julho de 2022

Dados do Inpe apontam que 1.120 km² de floresta foram destruídos no mês passado, maior valor para o período desde 2016. Devastação da Amazônia também foi recorde no primeiro semestre, pelo quarto ano consecutivo.

https://p.dw.com/p/4DsWn

O desmatamento na Amazônia chegou a 1.120 quilômetros quadrados ao longo do mês passado, o maior valor para o mês de junho desde o início da série histórica, em 2016. Os dados são do sistema Deter, programa de monitoramento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

A devastação do bioma em junho de 2022 foi 5,5% maior do que no mesmo mês do ano passado, que havia registrado 1.061 quilômetros quadrados de floresta destruídos e já havia sido um recorde.

O acumulado do primeiro semestre também foi o mais alto para o período desde 2016, somando 3.988 quilômetros quadrados desmatados na Amazônia. O valor é praticamente o triplo do registrado em 2017, quando foram devastados 1.332 quilômetros quadrados.

O aumento do desmate no primeiro semestre deste ano em comparação com os primeiros seis meses de 2021 foi de 10,6%. No primeiro semestre de 2022, o município de Formosa do Rio Preto, na Bahia, foi o campeão de alertas de desmatamento, com 261 quilômetros quadrados.

É o quarto ano consecutivo com recordes de desmatamento no primeiro semestre. Especialistas avaliam que os dados podem indicar um risco elevado de que 2022 se torne outro ano devastador para a Amazônia brasileira, onde o desmatamento aumentou desde que o presidente Jair Bolsonaro assumiu o cargo em 2019.

Bolsonaro desmontou estruturas governamentais voltadas para refrear as atividades que devastam a floresta, como a mineração ilegal ou o comércio ilícito de madeira, além de defender a exploração dos recursos naturais da Amazônia, inclusive em reservas indígenas, onde tais ações são proibidas por lei.

Desde que o presidente assumiu o Planalto, as taxas de devastação da Amazônia brasileira aumentaram 73%, para 13.038 quilômetros quadrados no ano passado. Em 2018, um ano antes de ele tomar posse, foram destruídos 7.536 quilômetros de floresta.

"Futuro em risco"

Em nota, a organização ambiental WWF-Brasil alertou que o desmatamento da Amazônia nestes primeiros seis meses foi alarmante e coloca o bioma cada vez mais perto do ponto em que a floresta não conseguirá mais se sustentar nem prover os serviços ambientais dos quais o país depende.

"Quando perdemos floresta, colocamos em risco nosso futuro. A Amazônia é chave para a regulação das chuvas das quais dependem nossa agricultura, nosso abastecimento de água potável e a disponibilidade de hidroeletricidade. O roubo de terras públicas e o garimpo ilegal, que não geram riqueza ou qualidade de vida, estão destruindo nosso futuro", disse Mariana Napolitano, gerente de ciências do WWF-Brasil.

O Greenpeace Brasil também lamentou os números e lançou críticas à atuação da gestão Bolsonaro em relação ao meio ambiente.

"É mais um triste recorde para a floresta e seus povos. Esse número só confirma que o governo federal não tem capacidade, nem interesse, de combater toda essa destruição ambiental. Seja por ação ou omissões, o que vemos é uma escalada inaceitável da destruição da floresta e do massacre de seus povos e defensores", afirmou Rômulo Batista, porta-voz da campanha Amazônia da organização, em nota.

ek/bl (Lusa, ots)

Pular a seção Mais sobre este assunto
Pular a seção Conteúdo relacionado