1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Vladimir Putin, presidente da Rússia, cumprimenta seu homólogo brasileiro Jair Bolsonaro
Durante visita a Putin em Moscou, Bolsonaro declarou sua "solidariedade" à RússiaFoto: Mikhail Klimentyev/Russian Presidential Press Office/TASS/imago images

América Latina dividida quanto ao conflito Rússia-Ucrânia

Sandra Weiss
3 de março de 2022

Embora a maioria dos líderes mundiais tenha repudiado a invasão da Rússia à Ucrânia, os russos encontram uma América Latina fragmentada, onde antigos aliados, como Venezuela e Cuba, declaram solidariedade a Putin.

https://www.dw.com/pt-br/am%C3%A9rica-latina-dividida-quanto-ao-conflito-r%C3%BAssia-ucr%C3%A2nia/a-61003695

Nos últimos anos, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, tem voltado sua atenção cada vez mais para a América Latina. Foram realizados acordos comerciais, entregas de armas, abertura de escritórios das mídias Sputnik e RT na região, fornecimento de vacinas contra a covid-19, empréstimos de milhões de dólares para Cuba e exercícios militares com a Venezuela. O compromisso de Moscou era grande – e as tentativas de aproximação do Kremlin pareciam estar dando frutos.

Apenas algumas semanas antes da invasão da Ucrânia, o presidente da Argentina, Alberto Fernández, e seu colega brasileiro Jair Bolsonaro, viajaram para Moscou. Não para mediar o conflito, mas para agradar Putin: Fernández ofereceu seu país como porta de entrada para investimentos russos na América Latina, e Bolsonaro declarou sua solidariedade com a Rússia. Os dois chefes de Estado ignoraram os avisos de Washington sobre o envio de tropas russas para a fronteira com a Ucrânia.

As visitas de Fernández e Bolsonaro deram a impressão de um realinhamento estratégico de um continente que até então era considerado "quintal" de Washington. Em última análise, no entanto, tratou-se mais uma advertência simbólica para os EUA.

O peronista Alberto Fernández defende uma ordem mundial multipolar e sente que está sendo intimidado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), do qual a Argentina depende de empréstimos há 25 anos. Por outro lado, Bolsonaro está irritado com a frieza com a qual é tratado por Washington e rapidamente mudou de fã de Donald Trump para virar adepto de Putin.

Um continente fragmentado

Não apenas eles, mas toda a América Latina foi apanhada de surpresa pela guerra. As reações oficiais inicialmente oscilaram de uma clara condenação do conflito feita por Colômbia, Chile e Guatemala, por exemplo, a declarações de solidariedade com Putin vindas de Nicarágua, Cuba e Venezuela.

Países como Peru, Equador, Honduras e México, que preside atualmente o Conselho de Segurança da ONU, fizeram apelos por cessar-fogo e diálogo – e o presidente da Argentina, Fernández, rapidamente se juntou a eles.

Juan Gabriel Tokatlian chamou essa cacofonia de uma "fragmentação dramática". "Não houve coordenação", criticou o sociólogo e vice-reitor da Universidade de Torcuato Di Tella, em Buenos Aires, em entrevista a uma emissora de televisão argentina. A Organização dos Estados Americanos (OEA) elaborou uma declaração conjunta, mas muitos países – como Uruguai, Jamaica, Argentina e Brasil – não a assinaram.

A imagem mais bizarra foi apresentada pelo Brasil: Bolsonaro disse que seu país deveria manter uma posição de "neutralidade" e repreendeu Hamilton Mourão, após o vice-presidente criticar anteriormente a ofensiva de Putin e pedir apoio militar à Ucrânia. O embaixador do Brasil na ONU, por sua vez, declarou que a Rússia tinha "cruzado a linha vermelha".

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, cumprimenta seu homólogo russo Vladimir Putin
Fernández ofereceu seu país como porta de entrada para investimentos russos na América LatinaFoto: Sergei Karpukhin/TASS/dpa/picture alliance

Invasão traz más lembranças para a América Latina

Na quarta-feira, o caos diplomático se dissipou até certo ponto quando a maioria dos países latino-americanos votou a favor de uma resolução na Assembleia Geral da ONU que condena a Rússia pela invasão à Ucrânia.

Bolívia, Cuba, El Salvador e Nicarágua se abstiveram. Já a Venezuela criticou a resolução, mas não pôde votar porque não paga suas contribuições em dia.

Além de considerações jurídicas internacionais, os governos da América Latina provavelmente analisaram a opinião pública. As imagens de casas bombardeadas e de civis em fuga, transmitidas por emissoras locais há dias, também provocaram expressões de solidariedade com as vítimas na América Latina.

Ainda não há pesquisas de opinião, mas as invasões de tropas russas à Ucrânia trazem más lembranças na América Latina, a exemplo da invasão do Panamá pelos Estados Unidos. O embaixador do México na ONU, Juan Ramón de la Fuente, resumiu: "O México foi atacado quatro vezes em sua história e sabe muito bem o que isso significa", disse.

Moscou é parceiro importante de alguns países

Para a maioria dos latino-americanos, a Rússia é uma terra distante e estrangeira. Mas o apelo de Putin encontra ressonância num pequeno grupo de intelectuais de esquerda, embora muito ativo nas redes sociais.

E a parceria com Moscou é estrategicamente importante para Nicarágua, Cuba e Venezuela, já que a Rússia ajuda a contornar as sanções dos EUA e da Europa. Caracas importa, por exemplo, quase todo seu trigo da Rússia.

A região está dividida quanto às sanções: a Colômbia, país parceiro da Otan, as apoia; México e Brasil as rejeitam. O Brasil tem uma boa razão para isso: a potência agrícola sul-americana importa 69% de seus fertilizantes da Rússia.

O presidente de esquerda do México, Andrés Manuel López Obrador, se opõe à política de sanções e tem condenado repetidamente o embargo dos EUA contra Cuba. No entanto, o México sofre forte pressão de seu parceiro de livre-comércio EUA, com o qual realiza quase 90% de seu comércio exterior.

Para um outro país da região, as sanções são uma espada de Dâmocles: El Salvador. James Bosworth, editor do Latin America Risk Report, adverte: "Aqueles que continuam trabalhando com dinheiro russo no setor financeiro podem estar sujeitos a sanções. El Salvador, que declarou o bitcoin sua moeda oficial no ano passado, está prestes a emitir papéis da dívida soberana em bitcoin. O risco de a Rússia movimentar dinheiro por meio desses títulos é muito real", escreve Bosworth.