Alvo da PF, ministro do Trabalho pede demissão | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 06.07.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Alvo da PF, ministro do Trabalho pede demissão

Temer aceita pedido de exoneração de Helton Yomura, afastado do cargo pelo STF horas antes. Político é alvo de operação que apura um esquema de fraudes no ministério. Eliseu Padilha assumirá a pasta interinamente.

Helton Yomura

Indicado pelo PTB, Yomura assumiu o Ministério do Trabalho em janeiro deste ano

O ministro do Trabalho, Helton Yomura, pediu demissão do cargo nesta quinta-feira (05/07), horas depois de ter sido afastado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O político é um dos alvos da terceira fase da Operação Registro Espúrio, deflagrada nesta quinta pela Polícia Federal (PF).

Em nota, o Palácio do Planalto informou ter recebido e aceitado o pedido de exoneração de Yomura, no posto há apenas seis meses. "O presidente Michel Temer agradeceu sua dedicação à frente da pasta", afirma o texto da Secretaria de Comunicação Social da Presidência.

Com a saída de Yomura, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, assumirá a pasta do Trabalho interinamente, acumulando as duas funções. Segundo a imprensa brasileira, a nomeação deve ser publicada nesta sexta-feira no Diário Oficial da União.

Após um pedido da Polícia Federal, o ministro Edson Fachin havia autorizado o afastamento de Yomura do cargo mais cedo nesta quinta-feira. Sua casa no Rio de Janeiro foi alvo de mandados de busca e apreensão, e ele prestou depoimento na superintendência da PF em Brasília.

Segundo o jornal O Globo, Yomura ficou em silêncio durante o depoimento e se recusou a fornecer a senha do celular funcional do ministério usado por ele, justificando que o aparelho também é utilizado para fins particulares e, por isso, possui "informações e arquivos privados".

O político, seguindo a orientação de seus advogados, teria dito que só vai se pronunciar após ter acesso ao inteiro teor da investigação, informou o diário carioca.

Em nota, a defesa destacou que Yomura não cometeu qualquer ato ilícito. "Mesmo não sabendo de que atos está sendo acusado, [ele] nega veementemente qualquer imputação de crime ou irregularidade", diz o texto, divulgado antes de ele pedir demissão.

Advogado por formação, Yomura foi indicado ao Ministério do Trabalho pelo PTB, que controla a pasta há anos. Ele assumiu o cargo interinamente em janeiro deste ano e, em 10 de abril, foi empossado titular. Antes, atuou como secretário-executivo do ministério desde outubro de 2017.

Operação Registro Espúrio

Segundo a PF, a terceira fase da Registro Espúrio apura uma organização criminosa que atuava na concessão fraudulenta de registros sindicais no Ministério do Trabalho. Ao todo, dez mandados de busca e apreensão e três de prisão temporária foram cumpridos em Brasília e no Rio.

Entre os alvos esteve o deputado federal Nelson Marquezelli (PTB-SP), que teve seu gabinete revistado pelos policiais federais. Ele também foi proibido de frequentar o Ministério do Trabalho e de manter contato com demais investigados e servidores da pasta – a não ser que seja imprescindível ao exercício do mandato, mas, para isso, ele terá de enviar uma justificativa prévia ao STF.

A PF cumpriu ainda três mandados de prisão temporária, autorizados pelo Supremo, que atingem Jonas Antunes Lima, assessor de Marquezelli, Júlio de Souza Bernardes, chefe de gabinete de Yomura, e Adriano José Lima Bernardo, superintendente do ministério no Rio.

A operação teve início em 30 de maio e apura um esquema de fraudes e corrupção na pasta do Trabalho. Em meados de junho, durante a segunda fase da operação, policiais federais cumpriram mandados de busca e apreensão em endereços da deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ), filha do presidente nacional do partido, Roberto Jefferson.

Suspeitas sobre Carlos Marun

Nesta quinta-feira, uma reportagem do jornal Folha de S. Paulo revelou que o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, é também um suspeito de envolvimento com o suposto esquema no Ministério do Trabalho, o que ele nega.

O ministro comunicou que, na próxima segunda-feira, vai apresentar uma queixa-crime na Corregedoria da Polícia Federal e na Procuradoria-Geral da República contra o vazamento de informações que mencionam seu nome.

"Desde que assumi a Secretaria de Governo, eu nunca pus os pés no Ministério do Trabalho, nunca conversei com nenhum servidor daquele ministério a respeito de demanda de qualquer sindicato, pessoalmente, ou por telefone, ou por qualquer outro meio", afirmou Marun.

EK/abr/ots

____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais