Alexandre de Moraes abre novo inquérito para investigar fake news | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 01.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Alexandre de Moraes abre novo inquérito para investigar fake news

Diante de "fortes indícios e significativas provas", ministro abre investigação para apurar a atuação de uma possível organização criminosa digital que teria o objetivo de desestabilizar as instituições democráticas.

Foto mostra o rosto de Moraes, olhando para o lado, sério, Ele usa terno escuro.

De acordo Moraes, entre as instituições alvo da organização criminosa estariam o Supremo e o Congresso

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes arquivou nesta quinta-feira (01/07) o inquérito aberto para investigar a organização e o financiamento de atos antidemocráticos no primeiro semestre do ano passado, entre eles o disparo de foguetes contra a sede do Supremo.

No entanto, diante de "fortes indícios e significativas provas", o magistrado abriu uma nova investigação para verificar a atuação de uma possível organização criminosa na internet que atuaria com o objetivo de atacar o Estado Democrático de Direito e desestabilizar as instituições democráticas. O novo inquérito terá prazo inicial de 90 dias. 

Moraes afirma que é preciso investigar se apoiadores do presidente Jair Bolsonaro estariam usando as estruturas do Palácio do Planalto, da Câmara dos Deputados e do Senado para disseminar informações falsas nas redes sociais e atacar a democracia.

A organização teria por finalidade desestabilizar as instituições democráticas, principalmente as que possam se contrapor, de forma constitucionalmente prevista, a atos ilegais ou inconstitucionais.

A abertura do inquérito se baseia em relatório da Polícia Federal que cita como possíveis envolvidos na organização criminosa três dos filhos do presidente, - o deputado federal Eduardo Bolsonaro, o senador Flávio Bolsonaro e o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro -, bem como parlamentares bolsonaristas, como as deputadas Bia Kicis e Carla Zambelli, fiéis apoiadoras do presidente.

No novo inquérito, Moraes pede que seja analisada "a presença de fortes indícios e significativas provas apontando a existência de uma verdadeira organização criminosa, de forte atuação digital e com núcleos de produção, publicação, financiamento e político absolutamente semelhante àqueles identificados no Inquérito 4.781, com a nítida finalidade de atentar contra a Democracia e o Estado de Direito".

Supremo e Congresso entre os alvos 

De acordo com a decisão de Moraes, entre as instituições alvo da organização criminosa estariam o Supremo e o Congresso Nacional. "Ou seja, pregam, de maneira direta, o afastamento da democracia representativa, com o retorno do estado de exceção, a partir do fechamento do órgão de reunião de todos os representantes eleitos pelo voto popular para o Poder Legislativo, e a exclusão do órgão constitucionalmente incumbido da defesa da Constituição Federal", afirmou o ministro.

Segundo o magistrado, o relatório da polícia aponta que a organização é muito semelhante à investigada no inquérito dos atos antidemocráticos. Por essa razão, Moraes pediu o compartilhamento de provas recolhidas durante a investigação anterior.

O inquérito encerrado nesta quinta-feira havia sido aberto em abril, por determinação de Moraes, para apurar quem organizou e financiou manifestações contra a democracia no país, que pediram o fechamento do Supremo e do Congresso e a volta da ditadura militar. O pedido de encerramento foi feito no começo de junho pela Procuradoria-Geral da União (PGR).

le (ots)