Alemanha teme interferência russa nas eleições de 2017 | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 16.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha teme interferência russa nas eleições de 2017

Departamento de Proteção à Constituição alerta sobre tentativa de Moscou de manipular mídia alemã, criando clima de ansiedade e diminuindo confiança da população no governo de Merkel.

Hans-Georg Maaßen

Maassen alerta sobre campanha de desinformação

O Departamento de Proteção à Constituição da Alemanha (BfV, serviço de inteligência interna) expressou receios de que a Rússia possa interferir nas eleições do país no ano que vem.

A Alemanha tem acusado Moscou de tentar manipular a mídia alemã ao criar um clima de ansiedade em relação a questões como a crise de refugiados e de enfraquecer a confiança da população no governo da chanceler Angela Merkel, além de criar divisões dentro da União Europeia para que o bloco retire as sanções impostas contra a Rússia.

Leia a cobertura completa sobre a eleição na Alemanha em 2017

O presidente do BfV, Hans-Georg-Maassen, citou o caso de uma jovem de ascendência russo-alemã no ano passado, que a mídia russa disse ter sido sequestrada e estuprada por imigrantes em Berlim – uma informação que depois foi refutada pelas autoridades alemãs.

"Isso pode acontecer de novo no ano que vem, e estamos alarmados", disse Maassen. "Temos a impressão de que isso faz parte de uma ameaça híbrida, que busca influenciar a opinião pública e o processo de tomada de decisões."

Ele salientou ainda a importância de trazer essas supostas campanhas à tona. "Quando as pessoas se dão conta de que a informação que elas recebem não é verdadeira, mas sim propaganda e desinformação, então as mentiras tóxicas perdem sua eficácia."

Questionado pela agência de notícias Reuters a respeito das declarações, o Kremlin não se pronunciou.

Autoridades da Inteligência alemã salientam o apoio russo a partidos eurocéticos e anti-imigração na Alemanha e na Europa. Na semana passada, Merkel disse que não pode descartar uma interferência russa nas eleições de 2017 por meio de ataques  cibernéticos e campanhas de desinformação.

Às vésperas das eleições presidenciais nos Estados Unidos, autoridades de inteligência americanas também alertaram para uma tentativa, apoiada por Moscou, de minar a credibilidade do pleito. Os serviços de inteligência franceses também já apontaram a possibilidade de uma intervenção russa na campanha eleitoral de 2017 na França.

IP/rtr

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados