Alemanha tem novo recorde de mortes diárias por covid-19 | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 16.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Alemanha tem novo recorde de mortes diárias por covid-19

País registra 952 óbitos e mais de 27 mil casos em 24 horas, no mesmo dia em que lockdown mais rigoroso entra em vigor. Medidas reforçadas para conter o avanço da doença incluem o fechamento do comércio e escolas.

Médica em hospital na Alemanha

Alta sem precedentes na contagem de óbitos pode resultar de atrasos no envio dos dados

A Alemanha registrou nesta quarta-feira (16/12) um novo recorde na contagem diária de mortes por covid-19, no mesmo dia em que o país passa a adotar um segundo lockdown rigoroso para tentar conter o avanço do coronavírus.

Segundo o Instituto Robert Koch (RKI), agência governamental alemã de controle e prevenção de doenças infecciosas, 952 pessoas morreram nas últimas 24 horas em razão da doença. O aumento, porém, pode se explicar pelo fato de o estado da Saxônia – um dos mais atingidos em todo o país – ter atrasado o envio dos dados no início da semana.                                          

O recorde anterior de mortes diárias no país, registrado na última sexta-feira, era de 598 óbitos. Até esta quarta-feira, o número acumulado de vítimas da doença é de 23.427.

De acordo com o levantamento do RKI, a Alemanha teve ainda 27.728 novos casos de covid-19 em 24 horas, o que aumenta o total de infecções desde o início da epidemia para 1.379.238.

A alta nos números da doença no país pode ser explicada por vários fatores, mas ocorre principalmente pelo surgimento de pequenos surtos em residências ou locais como casas de repouso, segundo o RKI. Em muitos casos, a origem das infecções não pode ser determinada. O instituto alerta que os riscos à saúde da população em geral são atualmente considerados como muito altos.

Lockdown rigoroso entra em vigor

A taxa de incidência da doença em um período de sete dias chegou nesta quarta-feira a 179,8 por grupos de 100 mil habitantes. O objetivo das autoridades é conseguir reduzir esse índice para menos de 50 até o dia 10 de janeiro, data prevista para o final das medidas mais rigorosas para deter a doença, que entraram em vigor nesta quarta-feira.

A série de medidas mais duras para conter a disseminação do coronavírus foi adotada pelo governo federal e os 16 estados alemães após um lockdown parcial fracassar em conter o avanço da doença. 

Assistir ao vídeo 01:34

Hospitais na Alemanha estão chegando ao limite

As novas medidas se assemelham ao primeiro lockdown – vigente entre março e abril e que paralisou a economia alemã – e incluem o fechamento de escolas e creches, de cabeleireiros e do comércio não essencial a partir desta quarta-feira até dia 10 de janeiro. Empresas estão orientadas a dispensar ou dar férias aos funcionários e a dar prioridade ao trabalho remoto.

Permanecem funcionando estabelecimentos como farmácias, conveniências, postos de combustível, bancos e supermercados, além de feiras e serviços de entrega.

Sob o lockdown parcial em vigor desde o início de novembro, já estavam fechados bares, espaços de lazer, cinemas, piscinas públicas e academias. Restaurantes, por sua vez, só podem oferecer comida e bebida para viagem.

Natal e Ano Novo sem aglomerações

Encontros privados continuam limitados a um máximo de cinco pessoas de dois domicílios, conforme determinado pelas regras de novembro. Nos feriados de Natal, entre 24 e 26 de dezembro, devem ser permitidos encontros com outras quatro pessoas de fora do próprio domicílio, contanto que elas sejam parentes próximos. Menores de 14 anos não são considerados.

O consumo de álcool em locais públicos passa a ser proibido desta quarta-feira até 10 de janeiro. Durante as festividades de Ano Novo, estarão proibidas reuniões e aglomerações públicas, assim como a venda e a queima de fogos de artifício em público.

RC/dpa/epd

Leia mais