Alemanha registra sucessos no combate a ″cidadãos do Reich″ | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 11.08.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha registra sucessos no combate a "cidadãos do Reich"

Número de extremistas de direita armados caiu mais de 40% desde 2017, divulga serviço de segurança interna. Reichsbürger negam a RFA, se aferram a fronteiras de 1937 e até imprimem próprios documentos e dinheiro.

Armas dos Reichsbürger apreendidas em Wuppertal, em 2016

Armas dos Reichsbürger apreendidas em Wuppertal, em 2016

O chefe da inteligência doméstica alemã, Hans-Georg Maassen, comunicou neste sábado (11/08) o êxito dos esforços para desarmar integrantes do movimento Reichsbürger e de outros grupos de extrema direita. As últimas batidas policiais teriam reduzido para menos de mil o número de ultradireitistas com posse de armas.

"Os sucessos estão se tornando aparentes, no que se refere a revogar licenças", afirmou o presidente do Departamento Federal de Proteção da Constituição (BfV), ressalvando: "No entanto precisamos manter a atenção nesse movimento."

Segundo as últimas estimativas do órgão, 920 radicais de direita ainda possuiriam armas de fogo, cerca de 700 a menos do que em 2017. Por outro lado, até 7% dos presumíveis Reichsbürger teriam permissão para posse de rifles de esporte ou caça – bem acima da média nacional de 2%.

Além disso, o número total dos Reichsbürger continuaria a crescer: as autoridades identificaram cerca de 18.400 suspeitos de filiação, dos quais 900 possivelmente são ativistas de extrema direita. Maassen relativizou o aparente aumento, que poderia ser resultado do foco redobrado das forças de segurança sobre a ultradireita.

"Cidadãos do Império"

O movimento Reichsbürger (literalmente "cidadãos do Império Alemão") não é claramente definido, já que não existe um movimento propriamente dito nem uma ideologia unificada. Há diversos pequenos grupos e indivíduos isolados, em parte conflitantes, sobretudo nos estados de Brandemburgo, Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental e Baviera.

Reichsbürger exibe seu passaporte – sem validade para o resto da Alemanha

Reichsbürger exibe seu passaporte – sem validade para o resto da Alemanha

O ponto em comum é não reconhecerem a existência da República Federal da Alemanha como Estado, afirmando que o Império Alemão ainda existe (para alguns, dentro das fronteiras de 1937) e é um território ocupado pelos Aliados. Assim, rejeitam a legitimidade da Lei Fundamental (Constituição), das autoridades e dos tribunais alemães, e não aceitam notificações oficiais.

Como não aceitam a existência da RFA, os Reichsbürger rejeitam também o pagamento de impostos e taxas, e criam seus próprios pequenos "territórios", com denominações como "Segundo Império Alemão", "Estado Livre da Prússia" ou "Principado Germânia". Eles imprimem documentos fictícios, como passaportes e carteiras de motorista, além de produzir camisetas e bandeiras. Alguns imprimem até seu próprio dinheiro.

Nos últimos dois anos, em seguida a uma onda de atentados violentos contra o público e a polícia, as autoridades alemãs concentraram seu foco na cena radical de direita. Em outubro de 2016, um adepto do movimento abateu a tiros um policial na Baviera. Alguns meses depois, em Trier, no sudoeste alemão, outro Reichsbürger disparou uma espingarda de ar comprimido em praça pública e ameaçou os transeuntes.

Desde então, diversos agentes da lei foram feridos em operações contra o movimento, por último depois que se tornou violento um protesto em Erlenbach, no estado de Baden-Württemberg. Além disso, funcionários públicos em toda a Alemanha têm sido desmascarados como adeptos dos Reichsbürger.

AV/dw,dpa

____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais