Alemanha recebe 280 mil requerentes de refúgio em 2016 | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 11.01.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemanha recebe 280 mil requerentes de refúgio em 2016

Número representa menos de um terço do registrado no ano anterior. Acordo UE-Turquia e fechamento da rota dos Bálcãs contribuem para a redução. Deportações e retornos voluntários aumentam.

Abrigo de refugiados na Alemanha

Sírios foram os que mais buscaram refúgio na Alemanha em 2016

O Ministério do Interior da Alemanha divulgou nesta quarta-feira (11/01) que em 2016 o país acolheu 280 mil requerentes de refúgio, menos de um terço dos 890 mil registrados no ano anterior.

"Isso demonstra a eficácia das ações tomadas pelo governo federal e pela União Europeia", ressaltou o ministro alemão do Interior, Thomas de Maizière. "Conseguiu-se controlar e ordenar o processo migratório", exaltou.

O acordo entre a União Europeia (UE) e a Turquia para controlar o fluxo migratório para a Europa e o fechamento da chamada rota dos Bálcãs – utilizada por milhares de migrantes para chegar à Europa Central –, ambos ocorridos nos primeiros meses de 2016, contribuíram para a diminuição do número de refugiados.

Por outro lado, o número de pedidos de refúgio aumentou. Em 2016, o governo registrou 745.545 pedidos, ou seja, 268.869 a mais do que em 2015. Grande parte dos que requereram formalmente o acolhimento na Alemanha havia entrado no país no ano anterior. Do total registrado em 2016, 268.866, dos pedidos foram feitos por sírios, 172.892 por afegãos e 97.162 por iraquianos. 

A sobrecarga do Departamento de Migração e Refugiados da Alemanha (Bamf), que enfrentou sérias dificuldades para lidar com o grande fluxo de migrantes, fez com que muitos adiassem a formalização de seus requerimentos de refúgio.

O Bamf processou mais de 695 mil pedidos em 2016, mais do que o dobro registrado em 2015. Quase 60% dos requerentes receberam refúgio integral ou parcial. "A montanha de pedidos não processados será reduzida", assegurou De Maizière.

Analisando o total dos que chegaram à Alemanha em busca de refúgio em 2016, os sírios também foram maioria. Outros países de origem de migrantes em grande número foram Afeganistão, Iraque, Albânia e Eritreia.

Aumento das deportações

Enquanto diminui o total de chegadas ao país, aumentam os retornos. De Maizière informou que em torno de 80 mil pessoas deixaram o país voluntariamente ou foram repatriadas em 2016, número considerado longe do ideal pelas autoridades.

Segundo o ministro, 55 mil migrantes deixaram a Alemanha por vontade própria enquanto 25 mil foram deportados. O governo federal negocia com as autoridades estaduais – responsáveis pelas deportações – o aceleramento dos processos de repatriação.

RC/dpa/ap

Leia mais