Alemanha quer reavaliar participação em Angra 3 | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 23.03.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Alemanha quer reavaliar participação em Angra 3

Governo alemão vai consultar Brasília sobre os padrões de segurança da usina nuclear de Angra 3 e reavaliar fiança bilionária dada à empresa construtora Areva/Siemens.

default

Angra 1 e 2, no Rio de Janeiro

Diante dos desastres ocorridos com as usinas atômicas no Japão, o governo da Alemanha pretende reavaliar a já prometida fiança bilionária concedida à construção da usina nuclear de Angra 3, no Rio de Janeiro.

Segundo nota do Ministério alemão da Economia divulgada nesta quarta-feira (23/03), o governo brasileiro será consultado para saber em que medida os acontecimentos no Japão terão efeito nos próximos procedimentos e nos padrões a serem utilizados na futura usina.

A Alemanha pretende apoiar a construção da usina com uma garantia de crédito de exportação às empresas nacionais de pouco mais de 1,3 bilhão de euros. Entretanto, até hoje não foram assinados o contrato de fornecimento nem os de financiamento.

Ao oferecer esta fiança ao negócio, o Estado apoia as exportações alemãs e protege as empresas em caso de fracasso. Angra 3 será construída pelo conglomerado francês Areva, do qual também participa a empresa alemã Siemens.

Tecnologia ultrapassada

O Ministério alemão da Economia esclareceu que o governo está reavaliando o caso após o episódio Fukushima. "Por isso o governo discute, agora com mais intensidade, esta fiança federal para crédito de exportação com relação a tecnologia nuclear", afirmou o ministério.

Organizações de defesa do meio ambiente exigem a revogação desta garantia de crédito. Seus representantes temem que o fato de obras no complexo nuclear de Angra terem atrasado por mais de 30 anos possa oferecer grandes riscos para o ser humano e para a natureza.

Segundo eles, trata-se de uma tecnologia ultrapassada em um país com "baixos padrões de segurança e sem uma fiscalização nuclear independente". Além disso, Angra se localizaria na única região com perigo de terremoto no Brasil.

Segundo a bancada do Partido Verde no Parlamento alemão, entre outubro de 2009 e agosto de 2010 o governo em Berlim aprovou dez fianças para usinas nucleares na China, França, Japão, Coreia do Sul, Lituânia, Rússia e Eslovênia.

MSA/dpa/epd
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais