Alemanha quer investir mais em projetos antirradicalização | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 16.12.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Alemanha quer investir mais em projetos antirradicalização

Governo estuda aumentar orçamento para projetos contra a radicalização de jovens, principalmente antifundamentalismo islâmico. Para alguns, esforço foi negligenciado por tempo demasiado e poderia contar com mais apoio.

Ativistas do salafismo se dirigem a jovens em Frankfurt

Ativistas do salafismo se dirigem a jovens em Frankfurt

Os planos de Berlim de enviar aviões de reconhecimento para ajudar a campanha internacional de bombardeios contra o grupo jihadista "Estado Islâmico" (EI) na Síria vão custar 134 milhões de euros do orçamento público para 2016. Mas talvez haja formas mais baratas, mais eficazes e mais urgentes de combater os radicais islâmicos: através de projetos nacionais de prevenção ao extremismo.

"Negligenciamos a questão da prevenção por muito tempo", declarou um secretário alemão do Interior em recente artigo da revista Der Spiegel. Essa opinião é aparentemente compartilhada por muitos políticos alemães. A ministra alemã da Família e Juventude, Manuela Schwesig, gostaria de ver o governo dobrar para 100 milhões de euros o orçamento para o programa federal Demokratie Leben (Viver a democracia), que financia projetos de prevenção.

"Somente neste ano foram disponibilizados mais de 5,8 milhões de euros para métodos de prevenção em diferentes níveis no campo do extremismo islâmico", declarou à DW um porta-voz do Ministério da Família. "Como projetos individuais só tiveram início no segundo semestre deste ano, no próximo ano o subsídio vai subir para mais de 7,5 milhões de euros."

Ameaça salafista

Samy Charchira, da diretoria da organização de prevenção baseada em Düsseldorf Wegweiser ("sinal de orientação", em alemão), saúda a iniciativa governamental. "Sem dúvida, o Demokratie Leben tomou um rumo muito interessante. A boa notícia é que alguns grupos de fé muçulmana foram integrados na abordagem."

Para Charchira, a iniciativa chega mais do que na hora, já que o movimento muçulmano mais radical da Alemanha, conhecido como salafismo, cresce rapidamente e tem grande alcance nas redes sociais.

Essa também é a opinião do Departamento Federal de Proteção à Constituição (BfV, na sigla em alemão). De acordo com dados que divulgou na semana passada, acredita-se que existam mais de 1.100 salafistas potencialmente violentos no país. Por outro lado, o número de extremistas dos direita violentos estimado pelo BfV é dez vezes superior.

"Posso lhe dizer que todos os centros de orientação têm muito o que fazer", acrescenta o diretor da Wegweiser. "Por um tempo, tivemos 70 ou 80, até mesmo 100 chamadas telefônicas por dia." A maioria desses telefonemas é de pais e professores, ou até mesmo vizinhos, preocupados sobre como reconhecer a radicalização e como se comportar.

"A primeira coisa que devemos fazer é verificar os relatos", explicou Charchira. "Algumas vezes, alguém liga e diz: 'Um aluno da minha turma começou a deixar a barba crescer e está se comportando de forma um pouco estranha.' Mas isso, é claro, não significa necessariamente nada."

deutschland Tag der offenen Moschee

Jovens que se radicalizam geralmente não frequentam mesquitas

Depois de ter reconhecido que é preciso tomar uma providência, a Wegweiser tenta estabelecer contato com os jovens em questão – sempre evitando revelar quem procurou o centro, para não dar impressão de que houve uma denúncia. Conquistar confiança é vital. "É preciso educadores sociais muito bons e muito bem treinados", explica Charchira. "Gente que saiba como é a vida dos jovens, que fale a linguagem deles."

Uma vez que se estabeleceu a confiança – o que, segundo as estimativas da Wegweiser, é possível em mais de 80% dos casos – a organização tenta saber mais sobre como vivem esses jovens, com quem conversam, que lugares frequentam. Um fato que talvez surpreenda é que jovens muçulmanos radicalizados frequentam muito pouco as mesquitas. "É antes uma exceção alguém que tenha se radicalizado ir à mesquita. Eles costumam se juntar a outros grupos, e nunca se encontram em mesquitas."

Uma causa – o racismo cotidiano

Em entrevista ao jornal berlinense taz, Michael Kiefer, estudioso do islamismo e que também trabalha para a organização Wegweiser, apontou a falta de pesquisas sobre os processos de radicalização. Ninguém pode dizer, de verdade, como e por que tantos jovens se radicalizam. "Falta realmente a oportunidade de colocar todo esse trabalho de prevenção sobre uma base científica", concorda Samy Charchira.

Mas, ainda assim, ele acredita que o racismo cotidiano desempenha um papel muito mais importante do que se suspeite. "O aumento significante da islamofobia afeta realmente os jovens; aliado ao racismo que os jovens enfrentam todos os dias, ao procurar um apartamento, um emprego, o que quer que seja. Isso os transforma, reforça certas atitudes. Pessoalmente, eu acho que esse fator no processo de radicalização é subestimado."

"Um dos modelos de sucesso para os grupos de radicalização salafistas é a criação dos construtos 'eles e nós': eles os infiéis, nós os fiéis. E isso é estimulado maciçamente pelo racismo cotidiano", explica o colaborador da Wegweiser. "Quando se faz um adolescente de 14 ou 15 anos sentir constantemente que não pertence à sociedade, que não é alemão 'de verdade', ele vai encontrar legitimação nos grupos radicais."

Recursos bem-vindos

PK zur Islamkonferenz in Berlin

Ministra da Fmília Manuela Schwesig (dir.) gostaria de dobrar orçamento para antirradicalização

Em meio a tudo isso, recursos financeiros são vitais. A organização Ufuq ("horizonte", em árabe) tem promovido workshops em escolas de Berlim desde 2007, mas foi somente em fevereiro deste ano que passou a tomar parte do projeto Demokratie Leben . Assim, em vez de ter de mais uma vez se candidatar para verbas de várias fontes, seu financiamento está garantido por cinco anos. "Um verdadeiro alívio", comentou o cofundador Götz Nordbruch ao taz.

Num workshop típico, Ufuq mostra filmes sobre a sharia (lei tradicional islâmica), sobre a Constituição alemã, sobre islamofobia e papéis de gênero, com o fim de provocar debate. "Damos aos jovens espaço para falarem sobre sua ideia de como pertencem [à sociedade], sobre sua identidade e religião", afirmou Nordbruch.

Um dos programas mais importantes é a rede Violence Prevention Network (VPN), que desde 2001 vem trabalhando na desradicalização de extremistas, tanto de direita como islâmicos. Atualmente seu orçamento anual é de 1,95 milhão de euros, provenientes dos governos federal e estaduais da Alemanha, e da União Europeia.

Seu trabalho é abrangente e distribuído em três áreas: prevenção – workshops em escolas e a sensibilização de professores e educadores sociais para os primeiros sinais de radicalização; intervenção – trabalhando com indivíduos que já demonstraram esses sinais; e desradicalização – ajudando os que aderiram a grupos radicais a abandoná-los, inclusive os retornados da guerra civil na Síria.

Todo esse trabalho é de extrema importância e fontes do Ministério da Família em Berlim sugeriram à DW que gostariam de ver o governo alemão investir ainda mais recursos na prevenção de extremismo.

Para Samy Charchira, isso seria mais do que bem-vindo. "Aqui no estado da Renânia do Norte-Vestfália, temos cerca de um educador social para 4 mil alunos, em alguns estados, essa proporção é ainda menor. Isso é um desastre."

Leia mais