Alemanha pretende reabilitar soldados homossexuais | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 04.07.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Alemanha pretende reabilitar soldados homossexuais

Mesmo depois que atos homossexuais foram descriminalizados, Forças Armadas alemãs discriminavam militares gays, negando-lhes a ascensão militar. E por muito tempo eles seguiram sendo considerados risco de segurança.

A Alemanha planeja reabilitar soldados discriminados no passado por sua homossexualidade. O Ministério da Defesa anunciou que pretende apresentar um projeto de lei em setembro para retificar as injustiças sofridas por esses militares, submetidos a medidas punitivas por cortes disciplinares.

Mesmo os que não foram forçados a pedir baixa eram discriminados em relação a seus camaradas através de salários ou pensões mais baixos, por ficarem excluídos de promoções. A lei impedindo homossexuais de se tornarem soldados profissionais ou assumirem atribuições em cargos superiores ou de liderança esteve em vigor até 3 de julho de 2000.

Segundo o site do Ministério da Defesa, em março a chefe de pasta Annegret Kramp-Karrenbauer reconheceu, diante de grupos representativos de gays e lésbicas da Bundeswehr (Forças Armadas alemãs), que membros homossexuais da organização haviam sido tratados injustamente por décadas: "Lamento por essa prática, que era procedimento padrão na época. Peço desculpas aos que sofreram por ela."

Logo da Bundeswehr para diversidade e inclusão

Logo da Bundeswehr para diversidade e inclusão

No entanto os tempos mudaram, e as Forças Armadas também, acrescentou a ministra: "Hoje em dia, a questão não é tolerância, mas sim respeito, apreciação e estima. Por isso é tão importante e correto admitir o passado, iniciar processos de mudança e abrir a Bundeswehr para uma nova forma de pensar."

Atos homossexuais entre homens eram ilegais na Alemanha até o fim dos anos 1960, sendo puníveis com até cinco anos de prisão. Os tribunais militares também podiam condenar os soldados por "ofensas sexuais antinaturais", com sentenças que incluíam rebaixamento e demissão.

Contudo, mesmo depois de os últimos vestígios da lei contra atos homossexuais serem eliminados do Código Penal, em 1994, a Bundeswehr continuou a considerar os gays um perigo para a segurança militar. Somente em 2000 a homossexualidade passou a ser oficialmente permitida na instituição, sendo introduzido um decreto instando a "tolerância" para com homossexuais e outras minorias sexuais.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais