Alemanha lamenta morte do ″Mister Euro″ | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 01.08.2005
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Alemanha lamenta morte do "Mister Euro"

Kennedy holandês, gentleman do florim, Mister Euro: Wim Duisenberg, primeiro presidente do Banco Central Europeu, recém-falecido, era respeitado por ter conduzido de maneira tranqüila a introdução do euro.

default

Wim Duisenberg faleceu na França aos 70 anos

O governo alemão lamentou a morte do ex-presidente do Banco Central Europeu, Wim Duisenberg. O ministro das Finanças, Hans Eichel, elogiou a contribuição do "extraordinário analista financeiro" à unificação monetária européia. Com sua calma, o ex-presidente do Banco Central da comunidade teria conseguido criar um base de confiança para o euro, introduzido em 2002, e garantir a aceitação da moeda pela população, declarou Eichel.

A presidente da União Democrata Cristã, Angela Merkel, declarou que a Alemanha perdeu um bom amigo: "Wim Duisenberg assegurou a estabilidade e a autonomia do Banco Central através de sua atuação. Seu exemplo nos ensina a defender estes valores no futuro."

Homem de ação, sem muitas palavras

Segundo comunicou a polícia francesa, Duisenberg foi encontrado morto na piscina de sua casa em Faucon, nas imediações de Avignon, no sul da França. Ele morreu afogado em decorrência de problemas cardíacos. A possibilidade de uma causa criminosa foi definitivamente descartada pela polícia. Duisenberg foi o primeiro presidente do Banco Central Europeu, exercendo a função desde 1998.

Há poucas semanas, o holandês Willem Frederik Duisenberg comemorou seus 70 anos. Com toda a discrição que lhe era típica. Grandes mensagens não eram do seu estilo; ele costumava resolver as coisas calado, mas com toda consciência e competência.

Em dezembro de 1965, Duisenberg concluiu seu doutorado em economia na Universidade de Groningen. Antes de ingressar para a política, ele chegou a lecionar macroeconomia. Em decorrência de sua carreira meteórica, ele costumava ser chamado de "Kennedy holandês". Com 38 anos, tornou-se ministro das Finanças; menos de dez anos depois, presidente do Banco Central holandês. Nos 15 anos em que exerceu esta função, contribuiu para a conjuntura econômica de seu país nos anos 80 e 90. Nesse período, o florim se tornou uma das moedas mais fortes da Europa.

O favorito da Alemanha

O fato de o Banco Central Europeu ter como primeiro presidente um holandês e não um francês também se deveu ao apoio da Alemanha. O "gentleman do florim" já era desde o princípio o candidato favorito da Alemanha à chefia da instituição responsável pela política e estabilidade monetária da União Européia, bem como pela emissão de cédulas e moedas do euro.

Para o presidente do Banco Central Alemão na época, Hans Tietmeyer, o economista holandês seria a garantia de uma moeda européia forte. Sua política no Banco Nacional Holandês fora zelar pela disciplina orçamentária e pela estabilidade do florim. Tietmeyer lembra que a união monetária foi um processo muito delicado, a ser levado a cabo por alguém que não colocasse em risco a confiança da população. Como presidente do Banco Central Europeu, Duisenberg se tornou o Mister Euro, preparador e guardião da união monetária.

Ao assumir o cargo, em junho de 1998, já estava claro que ele não cumpriria o contrato de oito anos, por razões de idade. Ao completar 68 anos, ele se afastou do cargo e foi sucedido pelo francês Jean Claude Trichet. Ele justificou que pretendia se dedicar a seus hobbies, o golf e a fotografia. Mas o economista não se afastou de vez da vida pública. Nos últimos anos, ele participou de inúmeros conselhos e comissões, acompanhando de perto processos de reestruturação econômica, com o da Air France / KLM e do Rabobank holandês.

Leia mais