Alemanha deverá ter pior retração da economia em 80 anos | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 22.04.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Alemanha deverá ter pior retração da economia em 80 anos

Alemanha deve registrar queda de até 6% na economia em 2009, segundo previsões do FMI e dos principais institutos econômicos do país. Governo já admite retração superior a 5%, mas descarta terceiro pacote conjuntural.

default

A Alemanha deverá registrar em 2009 o maior esfriamento de sua economia desde os anos 30, segundo prognósticos do Fundo Monetário Internacional (FMI) e dos principais institutos econômicos do país.

O FMI prevê uma queda de 5,6% da economia alemã, abalada principalmente devido à dependência das exportações e ao fraco mercado interno. Com isso, a Alemanha é um dos países da zona do euro mais afetados pela crise, ficando atrás apenas da Irlanda, para quem o FMI prevê uma queda de 8%.

Segundo o fundo, a economia mundial deverá encolher 1,3% neste ano, de longe a maior queda desde a Segunda Guerra Mundial, mas voltará a crescer 1,9% em 2010. Já a Alemanha ainda deverá contar com um recuo de 1% no próximo ano.

O FMI aconselha o país a dar novos passos para conter a crise. "A Alemanha tem as condições para isso e deveria pensar a respeito", avaliou o economista Jörg Decressin, do FMI.

Institutos: situação ainda mais negra

Os principais institutos econômicos do país veem a situação de forma ainda mais negra, de acordo com informações antecipadas de um prognóstico que será divulgado oficialmente nesta quinta-feira (23/04). Eles preveem uma queda de 6% do PIB, a maior desde a grande depressão econômica há quase 80 anos.

Steinbrück Guttenberg

Ministros Steinbrück (e) e zu Guttenberg: não a terceiro pacote conjuntural

O total de desempregados deverá chegar a 4,7 milhões (dos atuais 3,58 milhões), o que poderia sobrecarregar o sistema de bem-estar social. O presidente da Confederação Alemã de Sindicatos (DGB), Michael Sommer, alerta inclusive para o perigo de agitações sociais.

Também o ministro alemão das Finanças, Peer Steinbrück, admitiu que uma queda acima de 5% da economia em 2009 não é improvável. Sob a pressão dos novos números, o governo se encontrou com 30 representantes dos setores econômico e acadêmico, bem como dos sindicatos, para uma reunião de emergência nesta quarta-feira.

Segundo o ministro alemão da Economia, Karl-Theodor zu Guttenberg, a maioria dos presentes se mostrou contrária à elaboração de um terceiro pacote de incentivo à conjuntura.

Steinbrück alertou que ainda é preciso esperar até que os dois primeiros pacotes, com um volume total de 60 bilhões de euros, surtam efeito. O governo se mostrou disposto a ampliar o apoio ao empresariado e ao mercado de trabalho, mas os ministros sublinharam a necessidade de avaliar a situação de forma diferenciada, conforme o setor e a região, lembrando que há setores promissores.

Medidas isoladas

Steinbrück pondera ampliar o subsídio ao desemprego parcial, através do qual o Estado compensa as empresas ou os trabalhadores pelas horas de trabalho perdidas, dos atuais 12 para 18 meses, eventualmente até para 24 meses. Outra medida avaliada é a redução dos encargos sociais dos empregadores, caso estes se comprometam a investir no aperfeiçoamento profissional de empregados que tiverem sua jornada reduzida.

O governo também se mostrou aberto a propostas de representantes do setor econômico de reduzir em curto prazo a carga fiscal das empresas, bem como de facilitar o abatimento de prejuízos e de despesas com juros do imposto de renda.

No entanto, especialistas alertam que os governos federal, estaduais e municipais deverão recolher até 200 bilhões de euros menos que o previsto em impostos neste e nos próximos quatro anos.

RR/dpa/reuters

Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais