Alemanha decide apoiar ″forte resposta″ contra armas químicas na Síria | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 07.09.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemanha decide apoiar "forte resposta" contra armas químicas na Síria

Único representante da UE a se abster de assinar a declaração no fim da cúpula do G20, governo alemão resolve engrossar coro que responsabiliza o regime sírio pelo uso de armas químicas contra civis.

A Alemanha anunciou neste sábado (07/09) seu apoio à declaração assinada por 11 países integrantes do G20 a favor de uma "forte resposta internacional" contra o uso de armas químicas na Síria, após ter avaliado a posição dos demais membros da União Europeia (UE).

A informação foi dada pelo ministro alemão do Exterior, Guido Westerwelle, assegurando que Berlim não apoiou o documento divulgado na sexta-feira porque queria antes discutir o assunto em escala europeia com os países não representados na cúpula realizada em São Petersburgo, na Rússia. "Ontem, já não havíamos tido qualquer objeção substancial. Mas queríamos esperar que a Europa deliberasse sobre o tema, antes que um país após o outro adotasse uma posição", justificou.

Litauen PK Catherine Ashton

Ashton quer que os EUA aguardem relatório da ONU para dar início às operações militares

"Esta é uma tradição da Alemanha. Sempre acreditamos que a Alemanha deve ser o advogado dos países menores na UE, que não têm oportunidade de participar do G20", explicou o ministro alemão durante encontro informal dos ministros europeus do Exterior realizado em Vilnius, capital da Lituânia. "Após ver a excelente e sábia postura da UE, a chanceler [Angela Merkel] e eu decidimos apoiar agora a declaração escrita por outros países por ocasião do G20", acrescentou.

O texto – assinado por Austrália, Canadá, França, Itália, Japão, Coreia do Sul, Arábia Saudita, Espanha, Turquia, Reino Unido e EUA – argumenta que as evidências do ataque químico de 21 de agosto apontam para responsabilidade do regime de Bashar al-Assad e defende os esforços realizados por Washington para "garantir a proibição do uso de armas químicas".

Resposta clara e contundente

A Alemanha tinha sido o único dos países do bloco europeu presentes em São Petersburgo a se abster de respaldar a mensagem. O Brasil também não assinou o documento.

Os ministros do Exterior da UE também afirmaram ser a favor de uma resposta "clara e contundente" ao suposto uso de armas químicas na Síria, depois de se reunirem com o secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, em Vilnius, na Lituânia.

Aussenministertreffen in Vilnuis Litauen US Aussenminister Kerry

Kerry na Lituânia: compreensão pelas preocupações europeias

"Queremos uma resposta clara e contundente", afirmou a chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, em nome da UE, ao término do encontro dos ministros. Ela disse que os 28 membros do bloco concordaram sobre a existência de evidências claras que apontariam para a responsabilidade do regime de Assad no ataque químico do dia 21 de agosto.

Segundo Ashton, os 28 Estados pedem, ainda, que o relatório dos inspetores da ONU sobre o ataque do dia 21 de agosto seja divulgado "o mais rapidamente possível" e expressaram satisfação pela intenção do presidente da França, François Hollande, de esperar a revelação de seu conteúdo antes de empreender uma possível ação militar.

Consulta a Obama

Ashton acrescentou que esse também seria o desejo da UE em relação ao presidente dos EUA, Barack Obama. Segundo Guido Westerwelle, Kerry não prometeu que os EUA venham a esperar a divulgação do relatório dos inspetores da ONU, mas afirmou que tem compreensão pelas preocupações dos europeus e que agora irá "consultar o presidente" americano.

Em seu discurso semanal de rádio, Obama apelou mais uma vez para que o Congresso dê aprove o ataque militar contra a Síria. Os parlamentares americanos voltam na segunda-feira das férias de verão, e Obama fará na terça-feira um pronunciamento à nação sobre o assunto.

MD/efe/dpa/afp/rtr

Leia mais