Alemanha aposta no consumo para superar recessão histórica | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 21.01.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Alemanha aposta no consumo para superar recessão histórica

Relatório Anual da Economia do governo alemão apontou que país passa pela maior recessão dos últimos 60 anos. Sobretudo a exportação será afetada pela crise que deverá arrefecer na segunda metade de 2009, diz documento.

default

Ministro alemão da Economia afirmou em Berlim que não há alternativa para otimismo

"A Alemanha se encontra em profunda recessão", apontou o Relatório Anual da Economia apresentado pelo ministro alemão da Economia, Michael Glos, nesta quarta-feira (21/01), em Berlim. Glos advertiu que o pacote conjuntural de 50 bilhões de euros deve ser rapidamente aprovado.

Segundo dados do governo alemão, o país vai enfrentar a maior recessão dos últimos 60 anos. O governo de Berlim calcula que, em 2009, a economia do país deverá encolher em 2,25% e que, até o final do ano, o número de desempregados irá aumentar em cerca de 500 mil.

Ao apresentar o relatório, o ministro declarou, no entanto, que a situação deverá melhorar na segunda metade do ano. Para 2010, o governo espera que os pacotes de estímulo à economia repercutam positivamente sobre o crescimento e o emprego.

A atual recessão deverá afetar principalmente as exportações alemãs, onde se espera uma queda anual de 8,9%. As importações, por sua vez, também deverão cair em 5%. O consumo privado, por outro lado, deverá subir numa média de 0,8%, sendo uma das principais esperanças do governo de Angela Merkel para atravessar a crise em 2009.

Dados do relatório

Symbolbild Wirtschaftswachstum, Wirtschaft, Industrie

Governo espera queda das exportações

O relatório anual do governo confirmou os dados divulgados nas últimas semanas. Devido à crise econômica e financeira, o governo corrigiu drasticamente sua previsão de crescimento para 2009. Em vez do minicrescimento de 0,2% previsto, Berlim espera que o PIB do país encolha em 2,25%. Até agora, o pior resultado havia sido o de 1993, quando o crescimento diminuiu 0,8%.

Segundo as projeções governamentais, a cota de desemprego deverá elevar-se em 0,6 pontos percentuais para 8,4% da população economicamente ativa. Isso corresponde à perda de 500 mil postos de trabalho no decorrer do ano. No final de 2009, a Alemanha deverá ter 3,5 milhões de desempregados, informou o relatório.

Consumo privado é esperança

Symbolbild EU Konjunkturpaket

Glos acredita nos pacotes conjunturais do governo

O ministro Glos caracterizou a situação como "principal desafio desde a reunificação". Para superá-lo, o governo da Alemanha aposta, sobretudo, no consumo privado. Calcula-se que os salários terão um aumento nominal de 2% e que a inflação diminua sensivelmente, caindo dos 2,6% de 2008 para somente 0,5% em 2009. Através da queda do preço da energia, o ministro espera uma economia de 20 bilhões de euros para os consumidores e para o setor econômico.

Os prognósticos econômicos do governo se baseiam em pressupostos técnicos de que o barril do petróleo custará em média 45 dólares em 2009, bem abaixo do nível de 2008. Os pressupostos técnicos também consideram uma cotação média do euro de 1,32 dólar e a manutenção da taxa básica de juros do Banco Central Europeu de 2% para 2009.

O ministro da Economia admitiu, no entanto, que tais previsões governamentais contêm uma série de imponderabilidades. Até o momento, não se teve nenhuma experiência em lidar com uma crise mundial de tal dimensão, afirmou. No setor bancário e financeiro, os problemas estariam longe de serem resolvidos. Devemos nos preparar para novas notícias ruins, acresceu.

Segundo Glos, com os pacotes conjunturais, o governo alemão estaria cumprindo sua parte no combate à crise. O ministro apelou para que o segundo pacote de estímulo à economia, cujo montante é de 50 bilhões de euros, entre rapidamente em ação. Em 30 de janeiro próximo, ele deverá ser votado pelo Bundestag e, em 13 de fevereiro, pelo Bundesrat, respectivamente, a câmara alta e baixa do Parlamento alemão.

Oposição e lideranças econômicas

Os partidos de oposição ao governo avaliaram o Relatório Anual da Economia como prova de que novas medidas de estabilização da economia e do mercado de trabalho seriam necessárias. O Partido Liberal Democrático exigiu alívio tributário e de encargos para que um empurrão inicial pudesse acontecer.

O Partido Verde pediu por mais investimentos em educação e proteção climática. O partido A Esquerda caracterizou o relatório como "decepcionante". Segundo o presidente do partido, Oskar Lafontaine, o governo teria constatado que seus pacotes conjunturais não atingiriam suas metas.

Por sua vez, as principais confederações da indústria alemã – a Confederação das Associações de Empregadores Alemães (BDA) e Confederação da Indústria Alemã (BDI) – exigem a renúncia de tudo que possa prejudicar a confiança da economia e ameaçar a Alemanha como pólo econômico, como, por exemplo, salário mínimo para serviços terceirizados.

Leia mais