Alemanha é o sexto melhor país para famílias, diz Unicef | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 13.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Alemanha é o sexto melhor país para famílias, diz Unicef

Orgão da ONU divulga ranking que analisa duração da licença remunerada para mães e pais e a taxa de crianças matriculadas em creches e jardins de infância. Suécia, Noruega, Islândia, Estônia e Portugal lideram a lista.

A Suécia ocupa a primeira posição entre os países que possuem as melhores políticas para as famílias

A Suécia ocupa a primeira posição entre os países que possuem as melhores políticas para as famílias

A Alemanha ocupa a sexta posição entre os países que possuem as melhores políticas para as famílias, apontou um estudo divulgado nesta quinta-feira (13/06) pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

A Suécia ocupa a primeira posição no ranking, seguida de Noruega, Islândia, Estônia e Portugal. O relatório se baseia em uma análise sobre a duração das licenças para mães e pais com remuneração integral e, ainda, os serviços nacionais de cuidado infantil para crianças de até seis anos de idade.

"Não há um momento mais crítico para o desenvolvimento cerebral das crianças e, portanto, de seu futuro, do que nos primeiros anos de vida", afirmou em comunicado a diretora-executiva do Unicef, Henrietta Fore, acrescentando que os governos têm o dever de apoiar os pais na criação de um ambiente para o cuidado das crianças pequenas. 

Os pesquisadores usaram dados de 2016 para comparar o nível de políticas favoráveis às famílias em 41 países-membros da União Europeia e da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE). Dessas nações, cerca de metade ofereceu seis meses ou mais de licença remunerada para as mães – a duração mínima defendida pelo Unicef.

Dos 41 países ricos analisados, apenas 31 foram classificados no ranking, já que os outros dez não possuem dados suficientes para comparação, como é o caso de Estados Unidos, Chile, Canadá e México.

A Suécia, apesar de liderar a lista de países com melhores políticas para famílias, não está no topo de nenhum dos quesitos analisados, mas aparece entre as primeiras colocações na maior parte deles.

O direito a 35 semanas remuneradas de licença-maternidade deixa o país escandinavo apenas em 17º neste quesito. Por outro lado, aparece em quarto lugar quando se trata de licença-paternidade, com quase 11 semanas remuneradas. A Suécia também está entre os cinco países com as maiores taxas de crianças que frequentam escolas.

Na Alemanha, as mulheres têm direito a 43 semanas de licença-maternidade (12º lugar nesse quesito), e a licença-paternidade é de 5,7 semanas (10ª colocação).

Aproximadamente um terço das crianças menores de três anos está regularmente matriculado em creches (13º lugar) e, ainda, 92% de todas as crianças de 3 a 6 anos estão em jardins de infância (12º lugar).

A ministra alemã da Família, Franziska Giffey, destacou "desenvolvimentos positivos" na Alemanha, tendo em vista o estudo. "Com todas as nossas medidas, estamos nos concentrando na parceria, igualdade de oportunidades e na reconciliação, e estamos atingindo, obviamente, um ponto nevrálgico das famílias", frisou.

De acordo com o Unicef, a Estônia oferece às mães a licença-materniade remunerada mais longa entre os países analisados, com 85 semanas, seguida da Hungria (72 semanas) e da Bulgária (65 semanas).

Já o Reino Unido (12 semanas), Irlanda (9 semanas) e Suíça (8 semanas) são as nações com licença-maternidade remunerada mais curta.

Para os pais, Japão (30,4 semanas), Coreia do Sul (17,2 semanas) e Portugal (12,5 semanas) oferecem o maior tempo de licença remunerada. Vários países, como República Tcheca, Eslováquia, Irlanda, Chipre e Suíça, dividem o último lugar no ranking nesse quesito por não possuírem licença-paternidade.

Os Estados Unidos são o único país da OCDE sem uma política nacional de licença-maternidade e paternidade remunerada, embora alguns estados ofereçam programas pagos de seguro parental para determinados funcionários.

Entre os países com maior porcentagem de crianças com menos de 3 anos matriculadas em creches estão Dinamarca (70%), Islândia (65%) e Holanda (53%). Grécia (9%), República Theca (5%) e Eslováquia (1%) foram os países com a porcentagem mais baixa.

Quanto à taxa de matrícula de crianças entre 3 anos e a idade escolar nacional, a Islândia (99%) está na primeira colocação, seguida de Bélgica (99%) e Suécia (97%). Romênia (61%), Grécia (56%) e Croácia (31%) apresentaram a porcentagem mais baixa.

FC/rtr/dpa/efe/afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais