Alemães relembram 1968 como ano da Primavera de Praga | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 20.08.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Alemães relembram 1968 como ano da Primavera de Praga

Para quem viveu na ex-Alemanha Oriental, de regime comunista, 1968 é lembrado não como o ano das revoltas estudantis, mas como o marco representado pela Primavera de Praga.

default

Policial prende manifestante: movimento reformista é sufocado por tropas do Pacto de Varsóvia

A tentativa dos reformistas sob o comando de Alexander Dubcek (primeiro-secretário do Partido Comunista) de construir na antiga Tchecoslováquia um socialismo democrático era acompanhada com atenção também na então Alemanha Oriental, de regime comunista.

A invasão das tropas do Pacto de Varsóvia em agosto de 1968 acabou, no entanto, com o "experimento de Praga", pondo também fim na esperança de muita gente na República Democrática Alemã (RDA).

Sonho jogado por terra

"Minha mulher chegou na cozinha e disse: eles invadiram. É o que todos sempre temiam", lembra Hartmut Zwahr, que em 1968 tinha 32 anos. Na época, o então jovem historiador da Universidade Karl Marx, de Leipzig, estava fascinado pela renovação do socialismo no país vizinho.

O alemão Zwahr pertence à minoria étnica dos sórbios. Em 1968, ele, que fala fluentemente tcheco, viajava com freqüência à então Tchecoslováquia e lia com regularidade os jornais locais, que sumiam rapidamente das bancas de Leipzig. Na então Alemanha Oriental, a população demonstrava, sem dúvida, simpatia por Dubcek e suas reformas. As tropas na Primavera de Praga destruíam, naquele momento, o sonho de muitos com um socialismo mais humano.

Medo de tudo e todos

Bildgalerie Prager Frühling 1968

Maio de 1968 em Praga: Alexander Dubcek ao centro

"A invasão foi decepcionante e desoladora. A democratização de Dubcek já estava aliada, em março de 1968, à libertação de presos políticos. Milhares de pessoas saíram da prisão, havia mais liberdade de imprensa e de locomoção. Com a chegada das tropas, a esperança entre nós desapareceu. E devo confessar: tive medo da segurança do Estado. Não fiz mais amizades no meio que tinha a ver com as minhas atividades. Foram conseqüências amargas", lembra Zwahr.

Nos meses da Primavera de Praga, o alemão de Leipzig levou uma vida de dupla identidade. Na universidade, comportava-se de acordo com as expectativas em relação a um "camarada". À noite, porém, Zwahr escrevia um diário sobre as reuniões do partido – onde os camaradas linha-dura tomavam a palavra e os simpatizantes de Dubcek silenciavam – e sobre seus conflitos interiores. Ele escrevia piadas de teor político e descrevia a frustração cotidiana. Somente décadas mais tarde é que Zwahr pôde publicar suas anotações de então.

Protestos individuais

Em Frankfurt do Oder, a então estudante de 17 anos Hildegart Becker usava a máquina de escrever do pai, um pastor da Igreja Luterana, para redigir, junto de uma amiga e da própria irmã, uma mensagem de protesto contra a invasão de Praga, a seguir enviada aos habitantes da cidade, cujos endereços ela tirou da lista telefônica. Até a letra "K" ela conseguiu enviar, quando então foi pega pela Stasi, a polícia política da Alemanha Oriental.

"Nós nos comportamos de forma tão hábil (risos). Conseguimos mandar 150 cartas, gastamos um horror de selos e chegamos ao K, ou seja, acho que enviamos a mensagem para um terço ou para a metade da lista telefônica. Mas muito poucas cartas chegaram aos destinatários. E muitos daqueles que receberam as cartas entregaram as mesmas a representantes do regime. Isso só vim a saber muito mais tarde, quando li a documentação da Stasi", conta Becker.

Onipresença da Stasi

Bildgalerie Prager Frühling 1968

20 de agosto de 1968: sonho de 'socialismo mais humano' desmorona

Entre 21 de agosto e fins de novembro de 1968, foram conduzidos, na Alemanha Oriental, processos de investigação envolvendo 1.290 pessoas, que haviam distribuído mensagens contra a invasão de Praga ou somente feito críticas em público ao fato.

Para o país comunista de então, cuja população vivia sob controle acirrado, tratava-se de uma verdadeira "onda de protesto". Entre os detidos estavam jovens operários e estudanes, alguns deles filhos de altos funcionários públicos ou de membros do partido único. Hildegart Becker foi presa três semanas depois da distribuição das mensagens.

"A gente nem podia imaginar o quanto eles pesquisaram até descobrirem quem tinha uma máquina de escrever. Três semanas mais tarde, quando estava indo para escola, parou um carro do meu lado. Me pediram a identidade e disseram que tinham algumas perguntas a fazer. Fizemos um percurso mínimo de carro, poderíamos ter ido andando. Eram 500 metros até a prisão", recorda Becker.

Depois de três meses detida, ela recebeu permissão para deixar a prisão pouco antes do Natal de 1968. O Estado não queria entrar em atrito excessivo com a Igreja, por isso a libertação da filha do pastor.

Hildegart Becker pôde concluir sua formação profissionalizante, estudou Engenharia Civil e mais tarde Teologia, tendo participado do movimento pelos direitos humanos em 1989, pouco antes da Queda do Muro de Berlim.

Leia mais