Alemães querem reeleição de Merkel, diz pesquisa | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 20.11.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Alemães querem reeleição de Merkel, diz pesquisa

Levantamento divulgado por jornal alemão revela que 55% apoiam um quarto mandato da líder conservadora, contra 39% contrários. Em agosto, apenas 42% eleitores defendiam a permanência dela no poder.

Uma pesquisa divulgada neste domingo (20/11) pelo jornal Bild indica que 55% dos alemães apoiam que a chanceler Angela Merkel comande o país por um quarto mandato.

Segundo a sondagem, realizada pelo Instituto Emnid, 39% dos entrevistados são contrários à reeleição de Merkel, 11 pontos percentuais a menos do que em agosto, quando apenas 42% dos alemães defendiam que a chanceler ficasse no poder.

A direção da CDU, partido presidido pela chanceler desde 2000, se reúne neste domingo em Berlim e agendou uma entrevista coletiva de Merkel. A expectativa é que ela anuncie que será candidata nas eleições marcadas para ocorrer no próximo ano.

Entre os simpatizantes da CDU, o apoio a um quarto mandato de Merkel é de 92%. A chanceler também lidera entre as mulheres alemãs, com 66%, de acordo com a pesquisa.

Merkel também vence entre os eleitores do Partido Social-Democrata (SPD), com 54% das intenções de voto. A líder da CDU chegou ao poder pela primeira vez em 2005 após superar o então chanceler e principal nome do SPD, Gerhard Schröder.

O SPD ainda não escolheu candidato, mas se concorresse com seu atual líder, o vice-chanceler Sigmar Gabriel, teria poucas chances contra Merkel, segundo a pesquisa. Em um eventual confronto direto, Gabriel recebe 21% de apoio dos entrevistados contra 51% de Merkel.

"Esperamos que Merkel diga no domingo o que todos já sabem: que liderará a CDU nas próximas eleições", afirmou ontem Gabriel.

Outro nome citado como possível candidato social-democrata a chanceler é o do presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz. A outra possível alternativa, o ministro do Exterior alemão, Frank-Walter Steinmeier, era o político com maior respaldo popular. Entretanto, ele foi eleito por consenso pelos líderes partidários do governo alemão para assumir a presidência do país em fevereiro.

Segundo a pesquisa divulgada pelo Bild, se as eleições fossem realizadas hoje, a CDU e seus aliados da CSU teriam 33% dos votos, nove pontos percentuais a mais do que o SPD.

Completariam o Parlamento o Partido Verde, com 12%, e A Esquerda, com 9%. Já os populistas de extrema-direita da Alternativa para a Alemanha (AfD) teriam 13% dos votos. Outro grupo que voltaria ao Bundestag, a câmara baixa do parlamento do país, é o Partido Liberal (FDP), com 5% das intenções de voto.

MD/efe/dpa

 

Leia mais