1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Riace Dorf in Süditalien
Foto: Getty Images/AFP

Aldeia italiana sobrevive graças a refugiados

John Laurenson (av)
26 de dezembro de 2013

Há mais de uma década, a cidade de Riace encontrou um simbiose perfeita com os imigrantes da África e Ásia. Rechaçados e vistos como ameaça pelo resto da Europa, os "homens vindos do mar" salvaram o povoado da extinção.

https://p.dw.com/p/1Agok

O sol mal se levantou, e a equipe de lixeiros ecológico-tradicional já atravessa as ruas estreitas de Riace, na costa sul da Itália: dois homens e sua carroça puxada a jumento. Quebrando a tradição, contudo, só um deles é italiano.

Cerca de mil anos atrás, os ancestrais de Romano fundaram o lugarejo na Calábria – nas colinas, a cerca de oito quilômetros do mar, para se protegerem dos ataques dos piratas. O homem que acompanha Romano é um imigrante, Daniel. Ele é , como se diz aqui na região, um "homem do mar" – assim como eram chamados os piratas antigamente.

Dupla sorte para refugiados

Para muitos italianos, gente como o auxiliar de lixeiro continua representando uma ameaça. Numa outra aldeia calabresa, houve choques entre os antigos moradores e os trabalhadores imigrados. Mas Riace é diferente: de seus menos de 1.700 habitantes, 300 são "gente do mar".

Zwei Blechschilder
"Riace, cidade da hospitaliade"Foto: John Laurenson

Na verdade, Daniel vem de Gana. Cinco anos atrás, ele desembarcou em Lampedusa, a ilha mais meridional da Itália. "Três dias e três noites nós ficamos num barco. Um risco tremendo, de que nós escapamos. Mas, o que se podia fazer? A gente tinha que vir. E se você sobrevive, sobreviveu."

O imigrante de 32 anos sabe que teve sorte de conseguir chegar vivo a Lampedusa. E mais sorte ainda que exista um lugar como Riace. Enquanto o resto da Europa se defende dos refugiados com cercas e polícia de fronteiras, esta localidade os acolhe, quer apoiá-los. E hoje Daniel vive com mulher e dois filhos na cidadezinha calabresa.

Salva do desaparecimento

Esta região da Itália é pobre; aqui, quem manda é a Máfia. Os jovens abandonam a região assim que têm uma chance. O mesmo aconteceu em Riace: 15 anos atrás, sua população havia se reduzido de 3 mil para menos de 800. Porém, no início dos anos 2000, o prefeito Domenico Lucano passou a acolher imigrantes, os quais, segundo ele, substituíram todos os que abandonaram a cidade, evitando assim sua extinção.

"Antes, estes prédios estavam vazios e acabados", diz Lucano, apontando para as casas em redor. "Riace já era quase uma cidade fantasma. Mas nós construímos novamente as casas. Agora, famílias moram aí, e graças a elas pudemos manter a escola em funcionamento."

Também do ponto de vista econômico, os imigrantes são importantes, ressalta o prefeito: "Eles fazem os trabalhos que os italianos não querem mais fazer", cuidam dos idosos ou trabalham no olival para a sociedade de produtores de azeite. Um somali abriu um restaurante, outros atuam como tradutores ou mantêm pequenas lojas e firmas. Um deles, por exemplo, fabrica cerâmica tradicional de Riace, decorada com finas listras coloridas.

Vantagem para todos

Malta Gerettete Bootsflüchtlinge 12.10.2013
Refugiados em Malta: normalmente rechaçados pela EuropaFoto: Reuters

Quem indaga os clientes mais idosos do café sobre a convivência com os imigrantes, não recebe resposta: eles apenas fazem um gesto de "deixa pra lá". Só um homem bem mais jovem, que não quer ser identificado se dispõe a conversar.

"É uma coisa excelente! Riace está cheia de gente outra vez. Antes, era tão vazio aqui." Também há mais empregos, comenta o rapaz, pois os moradores podem trabalhar para a organização que apoia os recém-chegados. "No entanto, os empregos deveriam ir primeiro para os cidadãos italianos. No momento, os imigrantes têm muito mais possibilidades do que nós", ressalva.

Para a afegã Marie, o trabalho numa oficina de trabalhos em vidro é um presente de Deus. "No Afeganistão, eu só ficava em casa e não podia fazer nada, assim como as outras mulheres." Mas ela deixou o país por outro motivo: seus três filhos.

"Minha mais velha, a Mariana, começou a ter problema com os talibãs. Eles queriam casá-la à força. Mas ela só tem 12 anos!" A afegã e sua família já estão há dez meses em Riace. No momento, ela trabalha no mosaico de um jóquei a cavalo, que vai ser vendido na loja ao lado. Ela recebe 500 euros por mês do município, além dos 200 euros do serviço de asilo.

O fator humano

Hände halten Riace Geldscheine
Dinheiro local de Riace: Ghandi e Che Guevara contra os atrasos burocráticosFoto: John Laurenson

Essa ajuda financeira acaba revertendo também para a economia local, pois Marie, Daniel e os demais gastam seu dinheiro principalmente no comércio de Riace. Mas, como muitas vezes seu pagamento chega com atraso, Riace passou a imprimir seu próprio dinheiro, com retratos inspiradores de Martin Luther King, Che Guevara e Ghandi.

As cédulas funcionam como moeda normal: os requerentes de asilo podem comprar alimentos ou roupas com elas, e oportunamente os varejistas trocam seus Ghandis por euros de verdade.

Essa evolução positiva se deve, em grande parte, aos subsídios do governo italiano e da União Europeia. Mas ela também depende muito de gente como o prefeito Domenico Lucano. Nas últimas eleições, ele se candidatou com um slogan simples: "As pessoas mais pobres do mundo vão salvar Riace – e nós as salvaremos." Simples, mas eficaz.

Pular a seção Mais sobre este assunto
Pular a seção Conteúdo relacionado