Alckmin sai da mira da Lava Jato | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 12.04.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Alckmin sai da mira da Lava Jato

Superior Tribunal de Justiça passa inquérito do ex-governador e pré-candidato ao Planalto para a Justiça eleitoral. Na prática, decisão o tira da rota da força-tarefa em São Paulo.

Brasilien Brasilia Parteitag Sozialdemokraten Geraldo Alckmin (Getty Images/AFP/E. Sa)

Alckmin durante congresso do PSDB em dezembro

Uma juíza do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu nesta quarta-feira (11/04) enviar para a Justiça eleitoral paulista um inquérito sobre o ex-governador de São Paulo e pré-candidato a presidente pelo PSDB Geraldo Alckmin. Na prática, a decisão tira o tucano do caminho da Lava Jato.

Leia também: Dois nomes que podem redesenhar a corrida eleitoral

Mencionado em delações de executivos da Odebrecht, Alckmin é suspeito de ter recebido doações, via caixa dois, da empreiteira durante as campanhas eleitorais de 2010 e 2014. A cifra passaria de 10 milhões de reais.

O tucano tinha sua investigação correndo perante o STJ porque tinha foro especial na corte na condição de governador. O foro, no entanto, ele perdeu ao renunciar ao cargo no último sábado, para concorrer ao Planalto.

Assim, a ministra do STJ Nancy Andrighi reconheceu o fim da competência da instância especial para processar o inquérito instaurado no ano passado contra Alckmin.

"A ministra determinou remessa dos autos à Justiça Eleitoral do Estado de São Paulo, nos termos do que foi requerido pelo vice-procurador Geral da República, Luciano Mariz", informou o STJ, em nota.

Pouco antes de a decisão ser divulgada, Alckmin disse, em passagem pelo Senado, que esperava que o caso fosse para a Justiça Eleitoral.

"A delação é de natureza eleitoral e sem nenhuma procedência. Isso vai ficar claro, é só aguardar um pouquinho", declarou o tucano, em declaração reproduzida pela Folha de S. Paulo.

As delações sobre o caso foram feitas por três executivos da empreiteira: Benedicto Júnior, Carlos Armando Paschoal e Arnaldo Cumplido de Souza e Silva. O ex-governador nega ter recebido recursos ilegais.

A decisão no STJ se deu após solicitação do vice-procurador-geral Mariz, encarregado pela procuradora-geral, Raquel Dodge. Ele diz que as investigações indicam a prática de crime eleitoral por Alckmin.

O caso, que segue em sigilo, fica assim fora do alcance dos investigadores da Lava Jato em São Paulo. Mas a Justiça Eleitoral ainda pode autorizar o compartilhamento de provas com a força-tarefa.

Também poderão ter os inquéritos enviados para a Justiça eleitoral os ex-governadores Beto Richa, Marconi Perillo, Confúcio Moura e Raimundo Colombo, que também são investigados e se desligaram dos cargos para concorrer nas eleições de 2018.

Em quatro anos, a Lava Jato já investigou políticos de 14 partidos, incluindo tucanos. O senador Aécio Neves (PSDB-MG) terá uma denúncia julgada na próxima terça-feira no Supremo Tribunal Federal (STF) e pode virar réu.

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App

Leia mais