1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Perna de soldado segurando um rifle, com central nuclear ao fundo
Usina de Zaporíjia está desde março sob controle das tropas russasFoto: Stringer/AA/picture alliance

Agência de energia nuclear acusa novos ataques em Zaporíjia

20 de novembro de 2022

Ao menos 12 explosões foram registradas por inspetores da IEAE na central atômica ucraniana, a maior da Europa. Rússia e Ucrânia se culpam mutuamente.

https://p.dw.com/p/4Jndg

A usina de Zaporíjia, maior central nuclear da Europa e que está sob controle russo, foi alvo de severos bombardeios na manhã deste domingo (20/11), segundo a Agência Internacional de Energia Atômica (IEAE). Ao menos 12 explosões foram registradas pelos inspetores da agência desde a madrugada de sábado para domingo.

Moscou e Kiev se culparam mutuamente pelo bombardeio. "As notícias de nossa equipe ontem e esta manhã são extremamente perturbadoras", disse Rafael Grossi, chefe da AIEA, cuja equipe no local disse que houve danos em alguns edifícios, sistemas e equipamentos da fábrica. "Explosões ocorreram no local desta grande usina nuclear, o que é totalmente inaceitável. Quem quer que esteja por trás disso deve parar imediatamente. Como eu já disse muitas vezes antes, vocês estão brincando com fogo!", alertou.

Alertas sobre possível catástrofe

Repetidos bombardeios da usina – localizada no sul da Ucrânia e cujo controle foi assumido pela Rússia em março, logo após o início da invasão – geraram preocupações sobre um potencial grave acidente a apenas 500 quilômetros do local do pior acidente nuclear do mundo, o desastre de Chernobil de 1986.

A usina nuclear de Zaporíjia fornecia cerca de um quinto da eletricidade da Ucrânia antes da invasão da Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, e foi forçada a operar com geradores de emergência várias vezes. A falta de energia pode impedir o resfriamento dos reatores, o que pode levar a uma catástrofe atômica.

Tanto Kiev quanto Moscou se acusaram mutuamente de atacar a usina em várias ocasiões durante o conflito. Neste domingo não foi diferente. O Ministério da Defesa da Rússia disse que a Ucrânia disparou projéteis contra as linhas de energia que abastecem a usina, enquanto a agência de notícias russa Tass relatou que algumas das instalações de armazenamento do local foram atingidas por bombardeios ucranianos, citando um funcionário da operadora russa de energia nuclear Rosenergoatom.

Já a empresa ucraniana de energia nuclear Energoatom acusou os militares russos de bombardearem o local e disse que houve pelo menos 12 ataques à infraestrutura da usina. A companhia afirmou que a Rússia alvejou a infraestrutura necessária para reiniciar partes da usina em uma tentativa de limitar ainda mais o fornecimento de energia da Ucrânia.

md (Reuters, AFP)