1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Jair Bolsonaro e Mauricio Macri
Macri recebeu Bolsonaro em Buenos AiresFoto: picture-alliance/AP Photo/N. Pisarenko

Acordo UE-Mercosul é iminente, dizem Bolsonaro e Macri

6 de junho de 2019

Pacto comercial entre a União Europeia e o bloco é negociado há mais de 20 anos. Em Buenos Aires, presidente sugere apoio à reeleição do argentino e diz que toda a América do Sul teme o surgimento de "novas Venezuelas".

https://www.dw.com/pt-br/acordo-entre-ue-e-mercosul-%C3%A9-iminente-dizem-bolsonaro-e-macri/a-49093910

O presidente Jair Bolsonaro e seu homólogo argentino, Mauricio Macri, garantiram nesta quinta-feira (06/06) que a assinatura de um acordo comercial entre a União Europeia (UE) e o Mercosul é iminente. A declaração foi feita ao fim de uma reunião entre os dois líderes em Buenos Aires.

"Estamos prestes a chegar a um acordo entre o Mercosul e a União Europeia, eu o felicito [Macri] pelo seu trabalho. Todos ganhamos com isso", disse Bolsonaro durante o pronunciamento realizado ao lado do presidente argentino na Casa Rosada. Atualmente, a Argentina detém a presidência temporária do bloco sul-americano.

Macri endossou a declaração de Bolsonaro. "O Mercosul está completando 30 anos, e o mundo mudou. Claramente a visão inicial de integração tem que estar focalizada também em como nos incluímos no desenvolvimento global, que é fundamental para o futuro de nossos países", afirmou.

As negociações entre a UE e o Mercosul se arrastam há mais de duas décadas. Em 2004, os dois blocos chegaram a trocar propostas, mas a iniciativa fracassou diante da discordância sobre a natureza dos produtos e serviços que seriam englobados no acordo. Os sul-americanos queriam mais acesso ao controlado mercado agrícola europeu. Já a UE desejava avançar no setor de serviços e comunicações dos países do Mercosul.

Nos últimos três anos, as negociações tiveram um progresso mais significativo, mas ainda esbarram em várias divergências envolvendo a indústria automobilística e a circulação de produtos como carne bovina. Várias associações de produtores europeus temem a concorrência dos brasileiros, já que estes não ficaram satisfeitos com o sistema de cotas oferecido pelos europeus.

Na Casa Rosada, os presidentes também conversaram sobre as eleições presidenciais na Argentina. A menos de cinco meses do pleito, Macri, que deseja se reeleger, caiu fortemente nas pesquisas devido à crise econômica que o país vive há um ano.

Bolsonaro reiterou seu apoio ao mandatário argentino e disse que toda a América do Sul teme que surjam "novas Venezuelas" na região. "Devemos nos preocupar e tomar decisões concretas nesse sentido, cada vez mais unindo e somando nossos povos, buscando em cada um deles seu potencial de maneira irmanada, para que o progresso e a paz cada vez mais reinem entre nós", declarou.

Bolsonaro chamou ainda Macri de "irmão" e pediu que Deus abençoe os argentinos para que elejam com "muita responsabilidade e menos emoção", em prol da paz e da prosperidade, em claro apoio à candidatura do atual governante e contra a ex-presidente Cristina Kirchner, embora não tenha mencionado o nome de nenhum candidato.

Em resposta a um protesto na Plaza de Mayo, em frente à Casa Rosada, convocado por mais de 50 iniciativas sociais contra a visita de Bolsonaro, Macri afirmou que, em conversas com o brasileiro, ratificou o compromisso da Argentina com os direitos humanos.

Bolsonaro chegou no fim da manhã em Buenos Aires. Ao contrário de seus antecessores, que tradicionalmente fizeram a primeira viagem oficial à Argentina, essa foi a quarta visita internacional do brasileiro desde que ele assumiu a Presidência em janeiro. Bolsonaro já esteve nos Estados Unidos, Chile e Israel.

O Brasil é o principal parceiro comercial da Argentina. Em 2018, o intercâmbio comercial entre os dois países chegou a 26 bilhões de dólares, com um superávit de 3,9 bilhões de dólares para o Brasil.

Em Buenos Aires, Bolsonaro se reunirá ainda com políticos argentinos e empresários. A visita oficial termina na sexta-feira com um almoço no Museu Casa Rosada.

CN/efe/afp/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
WhatsApp | App | Instagram | Newsletter