1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Soldado ucraniano caminha por área destruída em Donetsk, na região do Donbass, na Ucrânia, em foto de 19 de maio de 2022
Após fracassar em conquistar Kiev, Rússia tem concentrado seus ataques no sul e leste do paísFoto: Alex Chan Tsz Yuk/SOPA Images/ZUMA Press/picture alliance
ConflitosUcrânia

"A Rússia transformou o Donbass num inferno", diz Zelenski

20 de maio de 2022

Presidente da Ucrânia diz que região no leste do país foi "completamente destruída" e acusa Moscou de genocídio. Ataques russos são tentativa deliberada de matar o maior número possível de ucranianos, diz Zelenski.

https://www.dw.com/pt-br/a-r%C3%BAssia-transformou-o-donbass-num-inferno-diz-zelenski/a-61875042

O presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, afirmou nesta quinta-feira (19/05) que a região do Donbass, foco de ofensivas recentes da Rússia, virou um "inferno" e acusou Moscou de estar cometendo genocídio do povo ucraniano.

Após fracassarem em tomar a capital, Kiev, as tropas russas têm concentrado seus ataques no sul e leste da Ucrânia, devastando cidades e vilarejos, e usado artilharia e blindados em massa a fim de capturar mais territórios no Donbass, composto pelas áreas de Donetsk e Lugansk, que Moscou reivindica em nome dos separatistas.

"No Donbass, os invasores estão tentando aumentar a pressão. Está um inferno lá, e não é exagero", afirmou Zelenski em sua mensagem de vídeo noturna. "O Donbass está completamente destruído. Tudo isso não tem e não pode ter qualquer explicação militar para a Rússia."

Segundo o líder ucraniano, trata-se, na verdade, de uma "tentativa criminosa e deliberada de matar o maior número possível de ucranianos; de destruir o maior número possível de casas, instalações sociais e empreendimentos".

"Isso é o que será qualificado como o genocídio do povo ucraniano e pelo qual os ocupantes serão definitivamente levados à Justiça", completou, após listar uma série de ataques e bombardeios das tropas russas, que já deixaram "muitos" mortos.

O presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski
"Tudo isso não tem e não pode ter qualquer explicação militar para a Rússia", diz ZelenksiFoto: Ukraine Presidency/ZUMA Press/IMAGO

"Não sei quanto tempo podemos durar"

O Ministério da Defesa ucraniano afirmou nesta quinta-feira que as forças russas estão impedindo que os civis no Donbass se refugiem para áreas controladas pela Ucrânia.

Na cidade de Severodonetsk, situada na área de Lugansk, 12 pessoas morreram e outras dezenas ficaram feridas após bombardeios russos, afirmaram autoridades locais. Segundo Zelenski, tratou-se de um ataque "brutal e absolutamente inútil".

Severodonetsk e sua cidade irmã Lysychansk compõem o último bolsão de resistência ucraniana na menor das duas regiões que compõem a zona de guerra do Donbass.

As forças russas cercaram as duas cidades – que são divididas por um rio – e as bombardeiam na tentativa de desgastar a resistência e privar os moradores de suprimentos. Habitantes que ainda permanecem ali têm medo de dar mais que alguns passos para fora de casa, segundo relatos a agências de notícias.

"Não sei quanto tempo podemos durar", afirmou Nella Kashkina, de 65 anos, à agência AFP. "Não temos mais remédios, e muitos doentes – mulheres doentes – precisam de remédios. Simplesmente não há mais remédios."

Ajuda do Ocidente

Aliados da Ucrânia, liderados pelos Estados Unidos e a União Europeia (UE), já deram bilhões de dólares em assistência a Kiev – incluindo equipamentos militares – desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro.

Nesta quinta-feira, o Congresso americano aprovou um enorme pacote de 40 bilhões de dólares em ajuda militar e humanitária à Ucrânia. Desse valor, 6 bilhões devem ser destinados ao aprimoramento do inventário de veículos blindados e do sistema de defesa aérea de Kiev.

O pacote precisa ser assinado pelo presidente dos EUA, Joe Biden, para que entre em vigor, o que deve ser feito durante a atual viagem do democrata à Ásia, segundo informou a Casa Branca.

ek/lf (AFP, Reuters)