A dor tem cor | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 08.06.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coluna Caros Brasileiros

A dor tem cor

No Brasil, está sempre "tudo bem". Morte de Miguel mostra que nada está bem, pois, para empregadas, levar uma vida cruel parece ser algo normal. Não dá mais para aguentar esse racismo enraizado, diz a colunista.

Empregada doméstica pendura roupas

"Por que essas mulheres aguentam tudo isso em silêncio?", questiona a colunista

Caros brasileiros,

às vezes, faltam palavras. Confesso que sinto certa dificuldade e inibição para escrever esta coluna. Porque depois da morte trágica do menino Miguel, o assunto levanta tristeza, constrangimento, e dor, muita dor.

Estou falando de empregadas domésticas no Brasil. Isso por si só já pode parecer pretensioso, pois eu nunca trabalhei como empregada. Mas queria compartilhar com vocês a minha singela experiência com esta profissão.

Quando cheguei no Brasil pela primeira vez, conheci a dona Teresinha. Ela trabalhava para meu marido brasileiro quando ele ainda morava sozinho. Morava longe, era separada, tinha uma filha com deficiência mental, que criava sozinha, e já estava com sintomas da doença Parkinson avançados.

A dona Teresinha não era de muita conversa, mas por pior que fossem os problemas dela, dizia sempre que estava "tudo bem". Queria lavar as roupas no tanque de sua casa em vez de colocar na máquina, queria passar as roupas mesmo com a mão tremendo, e dizia que se nos mudássemos para a Lua, ela iria trabalhar lá.

Na época, recém-chegada da Alemanha, me perguntava: como alguém com tanta amargura, pobreza e sofrimento, que não tem nada para comer na geladeira e nem geladeira tem, pode chegar no trabalho sorrindo e dizer que está "tudo bem"? A dona Teresinha me enchia de vergonha.

Depois da dona Teresinha veio a dona Roseane. Ela só tinha 27 anos e já era viúva. Tinha perdido o marido num acidente de carro. Também criava o filho sozinha. Como se isso não bastasse, alguns anos depois, a mãe dela que morava na Bahia, morreu de câncer.

É muita fatalidade, sofrimento e dor. Por que essas mulheres aguentam tudo isso em silêncio? Por que para empregadas domésticas uma vida dura e cruel parece ser a coisa mais normal do mundo? Quem inventou a lenda que mulheres negras suportam dores em doses maiores?

Quando vi a notícia sobre a morte do Miguel, me dei conta que esse sofrimento é simplesmente ignorado. Parece que empregadas são seres diferentes aos quais o famoso calor humano brasileiro não se estende.

Enquanto a patroa  fica chateada quando o cachorro está mal, a empregada não pode se dar ao luxo de demostrar sinais de fraqueza, apesar de levar uma vida precária. Tem trabalhar mesmo estando doente, com filho fora da escola, ou com alguém da família passando mal. Mas está sempre "tudo bem". "Tudo bem?": a morte do Miguel mostra que nada está bem. Mostra que no Brasil ainda prevalece a mentalidade escravista de 500 anos atrás. Por que desmerecer, minimizar, ignorar o sofrimento de milhões de empregadas, que na grande maioria são mulheres negras, é tratar elas como escravas?

Percebi essa herança escravista quando encontrei, pela primeira vez nos anos 1990, a Nair Jane de Castro Lima, empregada desde os nove anos de idade que trabalhava na casa de uma família alemã no Rio de Janeiro. Ela me contou como se comoveu quando um dia, encontrou uma colega chorando na frente de uma igreja.

Essa colega tinha trabalhado 40 anos na casa de uma família e foi dispensada quando tinha a idade de se aposentar. Ela não tinha para aonde ir e não ia receber aposentadoria, porque nem certidão de nascimento tinha. Em outras palavras: ela simplesmente não existia.

Essa crueldade foi uma das razões que levaram a Nair Jane a fundar o Sindicato dos Trabalhadores Domésticos. No ano passado, reencontrei-a novamente no Rio de Janeiro. A orientadora da minha filha Stefanie tinha recomendado assistir ao documentário "Colcha de retalhos" que abordava a invisibilidade das trabalhadoras domésticas no Brasil por meio da história de Nair Jane. Quando terminou o filme, ela estava lá!

Stefanie Prange de Oliveira com a deputada federal Benedita da Silva

Stefanie Prange de Oliveira com a deputada federal Benedita da Silva

A minha filha, nascida no Rio de Janeiro, está escrevendo uma dissertação de mestrado sobre os direitos trabalhistas de empregadas domésticas e o debate sobre o legado da escravidão no Brasil. Ela conversou com Nair Jane, assim como também conseguiu entrevistar Benedita da Silva.

Inclino-me perante guerreiras como Benedita da Silva e Nair Jane, que lutaram por coisas tão básicas como o direito de ter uma certidão de nascimento. E conseguiram conquistas sociais como a PEC das Empregadas Domésticas que entrou em vigor há cinco anos.

Com isso, o Brasil mudou. Mas ao mesmo tempo ficou igual. A morte do Miguel mostra que a "Casa Grande e Senzala" ainda existe. Mas também revela que não dá mais para aguentar a dor de um tratamento desumano em silêncio.

Agradeço a minha filha por entrar nessa luta contra racismo. E agradeço a todos manifestantes que foram e ainda vão para rua para deixar claro: #vidasNegrasImportam!

Astrid Prange de Oliveira foi para o Rio de Janeiro solteira. De lá, escreveu por oito anos para o diário taz de Berlim e outros jornais e rádios. Voltou à Alemanha com uma família carioca e, por isso, considera o Rio sua segunda casa. Hoje ela escreve sobre o Brasil e a América Latina para a Deutsche Welle. Siga a jornalista no Twitter @aposylt e no astridprange.de.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

 

Leia mais