″A ditadura de Maduro tem que ser cercada diplomaticamente″, diz Iván Duque | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 21.01.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

América Latina

"A ditadura de Maduro tem que ser cercada diplomaticamente", diz Iván Duque

Em entrevista à DW, presidente da Colômbia afirma que governo venezuelano vive seus últimos dias e "já não tem nenhum respaldo". Quanto ao cenário nacional, ele diz que o ELN não tem interesse em acordo de paz.

Presidente colombiano Iván Duque concede entrevista à DW em Bogotá

Iván Duque concedeu entrevista à DW em Bogotá, no dia 16 de janeiro

O presidente da Colômbia, Iván Duque, afirmou em entrevista à DW em Bogotá que a crise na Venezuela deve ser resolvida por meio de pressão diplomática e considerou que o governo de Nicolás Maduro já vive seus últimos dias.

"A ditadura tem que ser cercada diplomaticamente. A ditadura já está vendo seu estertores, já está vendo seu fim porque há uma reação uníssona, importante, do Grupo de Lima", afirmou.

Na entrevista, gravada um dia antes do atentado à Escola de Cadetes da Polícia Nacional na Colômbia, o presidente colombiano declara que o Exército de Libertação Nacional (ELN) – grupo guerrilheiro que assumiu nesta segunda-feira a autoria do ataque – não tem real interesse em chegar a um acordo de paz.

"O ELN insiste em falar de paz, mas continua cometendo atos criminosos", destacou Duque. "Durante 17 meses de negociação, foram mais de 400 atos de terrorismo e mais de 115 pessoas assassinadas. Isso mostra que não há vontade de alcançar a paz."

"Se querem falar de paz, têm que começar pela libertação de todos os sequestrados e têm que pôr fim a todos os atos criminosos porque não vamos aceitar a violência como mecanismo de pressão ao Estado."

DW: Que posição o senhor tem hoje sobre o processo de paz? Durante a campanha, o senhor anunciou que haveria grandes mudanças nesse processo e, como presidente, adotou um tom mais moderado?

Iván Duque: Primeiro: adotamos a mesma linha na campanha e no governo. Temos que construir uma paz com legalidade. E isso implica que estamos apoiando as pessoas que estão genuinamente fazendo um processo de reincorporação para passar da ilegalidade para uma vida de convivência social, em conformidade com a lei. Porém, é claro que seremos drásticos e implacáveis com aqueles que quiserem seguir com atividades criminosas.

A reforma que senhor pleiteia não torpedeia as últimas esperanças de que se possa retomar uma negociação com o ELN?

Ao contrário, temos que aprender as lições do passado. O ELN insiste em falar de paz, mas continua cometendo atos criminosos. Nos meus primeiros 30 dias de governo, fiz uma análise do processo de negociação entre o ELN e o governo de meu antecessor. Durante 17 meses de negociação, foram mais de 400 atos de terrorismo e mais de 115 pessoas assassinadas. Isso mostra que não há vontade de alcançar a paz. O que eu disse ao ELN é: se querem falar de paz, têm que começar pela libertação de todos os sequestrados e têm que pôr fim a todos os atos criminosos, porque não vamos aceitar a violência como mecanismo de pressão sobre o Estado.

Calcula-se que cerca de 1.800 dissidentes e também líderes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), como Iván Márquez, se distanciaram do processo de paz por considerar que o Estado não cumpre as promessas que fez. Existe um perigo real de que a guerrilha volte a se armar?

Primeiro, o que Iván Márquez disse é uma falácia. Ele não pode se apoiar, para continuar com a violência, no argumento de que o governo não cumpre promessas. Ele é que não as cumpre, que não se apresentou para a Justiça Especial para a Paz, que não assumiu seu cargo no Congresso com medo de ser implicado pelo senhor Marlon Marín [sobrinho de Márquez] em atividades de narcotráfico.

Sobre a Venezuela. O seu governo e os outros governos do Grupo de Lima elevaram as pressões diplomáticas sobre o regime de Nicolás Maduro, mas isso não o impediu de tomar posse. O que mais pensam em fazer?

A ditadura tem que ser cercada diplomaticamente. A ditadura já está vendo seu estertores, já está vendo seu fim porque há uma reação uníssona, importante, do Grupo de Lima, que não apenas reconhece a Assembleia Nacional como único órgão democrático legitimo como também está dizendo à ditadura que vai pedir – e vamos pedir – que se acelerem as investigações no Tribunal Penal Internacional, que se imponham sanções não ao povo venezuelano, mas ao contorno da ditadura, ao ditador e seus sequazes.

E, adicionalmente, há um pronunciamento categórico por parte da OEA [Organização dos Estados Americanos]. Creio que essa reação da América Latina não se via há muito anos e só mostra que queremos continuar fortalecendo a democracia. Espero que a ditadura entenda que já não tem nenhum respaldo, que seu respaldo será cada vez menor e que Venezuela merece recuperar a democracia.

O Grupo de Lima exortou a Assembleia Nacional a assumir o Poder Executivo. O presidente da Assembleia, Juan Guaidó, se declarou presidente. O senhor o reconhece como presidente legítimo da Venezuela?

O que estamos esperando, todos os países do Grupo de Lima, é que esse ato [a possível investidura de Guaidó como presidente] possa ter um revestimento de formalidade, e a reação deve ser de todos, em uníssono. O interessante que está ocorrendo hoje, esse cerco à ditadura, essa defesa da Assembleia Nacional, essa defesa das vozes de cidadãos que são quase heróis permanentes, como Juan Guaidó, é que possam se transformar nessa alternativa para a transição à democracia. [...] A Venezuela merece hoje mais do que nunca ter essa voz tranquila para que a ditadura chegue ao fim e que as forças militares não reprimam a expressão popular".

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais