1968: Primeiro cargueiro nuclear europeu | Os acontecimentos que marcaram o dia de hoje na História | DW | 13.06.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Calendário Histórico

1968: Primeiro cargueiro nuclear europeu

Em 13 de junho de 1968, foi lançado às águas o navio alemão Otto Hahn. Depois de quase cinco anos de desenvolvimento, execução do projeto e fase de testes, o estaleiro em Kiel apresentou o cargueiro.

Navio nuclear Otto Hahn

O navio levou o nome do químico Otto Hahn

O projeto do primeiro navio de carga com propulsão nuclear da Europa foi desenvolvido pelo Centro de Pesquisas de Geesthacht e construído pela Deutsche Babcock, Interatom (Siemens) e pelo Howaldtswerke, estaleiro da cidade de Kiel, no norte da Alemanha.

O país foi o terceiro do mundo a desenvolver esta tecnologia, depois dos Estados Unidos e da União Soviética. Os custos para sua fabricação envolveram cerca de 54 milhões de marcos (27,6 milhões de euros).

Após uma série de panes em alto-mar, seus proprietários resolveram retirar o reator nuclear do cargueiro de minérios em 1978. Transformado em transporte de contêineres, rebatizado e com propulsão convencional, a embarcação voltou a navegar em 1982 com bandeira grega.

Mais sobre o patrono do navio

Otto Hahn nasceu em 1879 na cidade de Frankfurt. O químico alemão descobriu a fissão nuclear (divisão do átomo) em 1938 e, em 1944, recebeu o Nobel de Química.

Após estudar Química em Munique e em Marburg, doutorou-se em química orgânica em 1901. Entre 1904 e 1906, trabalhou com William Ramsay, no University College, de Londres (1904-1906), onde descobriu uma nova substância, um isótopo radioativo a que chamou radiotório.

Hahn seguiu depois para o Canadá, onde se aprofundou no estudo da radioatividade com Ernest Rutherford, na Universidade McGill, de Montreal, e descobriu outra substância radioativa, o mesotório (1907) ou radioactínio.

De volta à Alemanha, o químico iniciou com a física austríaca Lise Meitner uma série de pesquisas sobre a química das substâncias radioativas e ambos entraram para o Kaiser-Wilhelm-Institut, hoje Instituto Max-Planck de Química, em Berlim (1912). Em 1917, descobriram o elemento radioativo protactínio.

Entre 1927 e 1946, Hahn dirigiu o instituto e, com Meitner e Fritz Strasmann, também alemão, provou a possibilidade da fissão nuclear através do processo químico do bombardeio do núcleo do urânio com nêutrons (1938). Perseguida pelos nazistas, Meitner abandonou as investigações antes das conclusões finais.

Essa descoberta foi essencial para que os Estados Unidos fabricassem a bomba atômica durante a Segunda Guerra Mundial. Hahn ganhou o Prêmio Nobel de Química em 1944 por seu trabalho em fissão nuclear e pela descoberta do núcleo pesado. Impedido por Hitler, só pôde receber seu prêmio dois anos depois.

Eleito presidente da Kaiser Wilhelm Society (1947), hoje Sociedade Max Planck para o Progresso da Ciência, o quüimico alemão combateu o desenvolvimento e os testes de bombas nucleares, e recebeu, junto com Meitner e Strassmann, o Prêmio Enrico Fermi (1966). Otto Hahn faleceu em 28 de julho de 1968, em Göttingen.

Leia mais