1962: Prisão perpétua para primeira Miss Alemanha | Fatos que marcaram o dia | DW | 04.06.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Calendário Histórico

1962: Prisão perpétua para primeira Miss Alemanha

No dia 4 de junho de 1962 foi pronunciada a sentença de prisão perpétua contra Vera Brühne. Estrela da alta sociedade e primeira Miss Alemanha, ela protagonizou um dos crimes mais misteriosos da história do país.

Vera Brühne diante do tribunal

Vera Brühne diante do tribunal

No dia 14 de abril de 1960, haviam sido encontrados os cadáveres do médico Otto Praun, 60, e de sua empregada Elfriede Kloo, 50, numa mansão em Pöcking, à beira do Lago Starnberger, na Baviera.

Praun era dono da mansão e possuía ainda duas casas geminadas e uma fazenda na Espanha. A primeira conclusão das investigações foi que o médico assassinara a empregada – supostamente uma de suas amantes – e, em seguida, num ato de desespero, cometera suicídio. Para a polícia, o caso parecia esclarecido.

"Foi uma investigação malfeita", lembra o advogado Konrad Kittl, de Munique. Os cadáveres não foram examinados por um médico legista e os investigadores não estiveram no local para a perícia. A pedido do filho de Praun, Kittl reinvestigou o caso. Os cadáveres foram exumados e a autópsia revelou que o médico e a empregada haviam sido assassinados com tiros na cabeça. Só aí se descartou a tese do homicídio seguido de suicídio.

Pista reveladora

A polícia reconstruiu o duplo assassinato. Johann Ferbach, de 48 anos, velho conhecido de Vera Brühne, havia disparado os tiros, mas cometeu um erro fatal. Esqueceu uma carta escrita em papel azul no local do crime. Brühne pediu a Ferbach que voltasse à mansão para buscar a carta, mas ele se negou.

A carta – inicialmente desprezada pela polícia – mencionava um certo Dr. Schmitz, apelido usado por Johann Ferbach, preso a 4 de outubro de 1961, um ano e meio depois do duplo assassinato. Tratava-se de um escândalo social. Vera Brühne, primeira Miss Alemanha, filha do prefeito da cidade de Kray, na Renânia do Norte-Vestfália, e estrela da alta sociedade, negou veementemente sua participação no crime.

Desde 1957, ela era amante de Praun, divorciado, que lhe prometera uma fazenda na Espanha. O médico, no entanto, falava em separar-se de Brühne e pretendia vender a fazenda, o que sugeria um clássico motivo de assassinato. Além disso, Sylvia, filha do casamento de Vera Brühne com o então ator Hans Cussy, declarou diante do tribunal que a mãe lhe havia confessado o crime. Mais tarde, Sylvia negaria essa declaração.

Sentença baseada em indícios

O julgamento em Munique foi um espetáculo para a imprensa. Brühne não se deixou impressionar pela opinião pública e insistiu até o fim na inocência, sem perceber que afundava em contradições. A polêmica sentença baseada em indícios foi promulgada no dia 4 de junho de 1962: prisão perpétua para Johann Ferbach e Vera Brühne, que contava então 52 anos de idade. Oito anos depois, Ferbach morreu de infarto na cadeia.

Numa penitenciária feminina do Estado da Baviera, Brühne ainda recorreu da sentença várias vezes, sem sucesso. No dia 15 de dezembro de 1979, obteve indulto do governador Franz Josef Strauss. Depois de 18 anos, dois meses e 12 dias na cadeia, Brühne reintegrou-se à alta sociedade muniquense. Até o fim da vida ela garantiu: "Tenho Deus como testemunha de que não estive envolvida nos assassinatos".

Vera Brühne faleceu em 2001, aos 91 anos. Enigmática, charmosa e carismática, ela virou um mito. Sua vida foi filmada para a TV pelo diretor Bernd Eichinger e documentada em forma de CD.

(gh)