1938: Nascia Romy Schneider, sucesso nas telas, tragédias na vida privada | Fatos que marcaram o dia | DW | 23.09.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Calendário Histórico

1938: Nascia Romy Schneider, sucesso nas telas, tragédias na vida privada

A atriz Romy Schneider nasceu em 23 de setembro de 1938 em Viena. Ela se tornou conhecida nos anos 1950 no papel de imperatriz Sissi, cuja imagem a tornou famosa, mas que mais tarde odiaria.

A atriz Rosemarie Magdalena Albach-Retty, ou Romy Schneider, nasceu em 23 de setembro de 1938, em Viena, após a anexação pelas tropas nazistas. Sobre poucas outras atrizes de língua alemã falou-se e publicou-se tanto como sobre Romy Schneider. Ela conquistou as telas alemãs de cinema em meados da década de 1950 com a trilogia sobre a vida da imperatriz austríaca Elisabeth von Bayern, carinhosamente conhecida por Sissi.

Seus três casamentos, a morte do filho de 14 anos e seu falecimento aos 43 anos de idade contribuíram para que Romy Schneider se tornasse um mito. A porção de sucesso nas telas foi compensada por tragédias na vida privada.

Foto histórica em preto e branco mostra a atriz Romy Schneider com a mãe

Romy com a mãe, Magda

Filha dos atores Magda Schneider e Wolf Albach-Retty, Romy era muito bonita. Sua estreia no cinema foi aos 14 anos, em Quando voltam a florescer os lilases, ao lado da mãe, que controlou sua carreira até o primeiro casamento de Romy. 

Choque com lesbianismo

Sua carreira escalou de forma meteórica a partir de 1955, quando fez o primeiro filme da trilogia sobre a imperatriz Sissi, da Áustria. Nos três filmes, atuou ao lado da mãe. Cansada da imagem de "filha boazinha" e "jovem princesa inocente", Romy Schneider, então já famosa, foi à busca de filmes adultos. Em 1958, causou escândalo numa história de lesbianismo em Senhoritas de uniforme.

No mesmo ano, durante as filmagens de Christine, apaixonou-se pelo então também jovem ator Alain Delon. Ela foi morar em Paris, onde fizeram teatro juntos. Foi o diretor Luchino Visconti quem mudou radicalmente sua trajetória dando-lhe um papel digno de grande atriz no episódio O trabalho, em Bocaccio 70.

Em 1966, ela casou-se com o ator e diretor de teatro Harry Meyen. Desta união nasceu David Christopher, em 1966. Uma estação importante em sua carreira foi A piscina, novamente ao lado de Alain Delon, em 1969, que foi um sucesso comercial. 

Mulher lendo livro com criança pequena

Romy com o filho, David

Depois da separação de Meyen, em 1975, ela casou-se com seu secretário, Daniel Biasini, 11 anos mais novo, com quem teve uma filha, Sarah Magdalena, nascida em 1977.

Um ano de tragédias

O ano de 1981 foi difícil para a atriz: a separação de Biasini, uma cirurgia para a remoção de um rim, e a morte do filho de 14 anos que, ao pular um portão, foi perfurado pelas setas da grade.

Pouco depois da estreia de seu último filme, La passante du Sans-Souci, em 29 de maio de 1982, Romy Schneider foi encontrada morta pelo companheiro, Laurent Petin, em seu apartamento em Paris.

A atriz morreu aos 43 anos, vitimada por uma parada cardíaca, segundo o atestado de óbito. Na época, a imprensa especulou se não teria sido suicídio.