100 anos sem Klimt | Programa semanal sobre cultura e arte contemporânea | DW | 07.02.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Camarote.21

100 anos sem Klimt

Morria em 1918 o "garoto problema" da cena artísitica de Viena. Com obras cobertas de ouro e sensualidade, Gustav Klimt foi o expoente do Art Nouveau austríaco.

Assistir ao vídeo 01:19

“Minha arte circunda um mistério”, teria dito o pintor à frente da Secessão Vienense, o movimento Art Nouveau austríaco. Em 2018, o mundo comemora o centenário de morte Gustav Klimt, mas o artista que hoje é sucesso de público, teve uma carreira controversa.

Como pintor decorativo, foi rejeitado. A sensualidade de suas obras era muito ousada para a burguesia vienense. Desencadeou escândalos com seus quadros - e seus casos. Klimt propagava o amor livre. Se envolvia com as mulheres que pintava, especialmente as damas da alta sociedade - ricas e, muitas delas, casadas. Entre elas, Adele Bloch-Bauer, cujo retrato é hoje uma das pinturas mais caras do mundo.

Klimt morreu em 1918 aos 55 anos de idade, mas os quadros deixados pelo artista reluzem até hoje.