Índia lança com sucesso missão ao polo sul da Lua | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 22.07.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Ciência

Índia lança com sucesso missão ao polo sul da Lua

Após uma primeira tentativa ter sido abortada, sonda não tripulada Chandrayaan-2 inicia viagem ao espaço. Missão visa explorar o polo sul da superfície lunar, estudar a composição mineral do satélite e procurar por água.

Decolagem do foguete GSLV Mark 3, levando a sonda indiana Chandrayaan-2

Decolagem do foguete GSLV Mark 3, levando a sonda Chandrayaan-2

A Índia lançou nesta segunda-feira (22/07), com sucesso, sua missão Chandrayaan-2 ao inexplorado polo sul da Lua. É o projeto mais ambicioso da agência espacial do país. Há uma semana, o lançamento fora abortado momentos antes da decolagem.

O foguete GSLV Mark 3, de 44 metros de altura, decolou às 14h43 (horário local) a partir da plataforma de lançamento do Centro Espacial de Satish Dhawan, no sul do país. O lançamento foi exibido ao vivo pela Organização Indiana de Pesquisa Espacial (ISRO, na sigla em inglês).

A Chandrayaan-2, que significa "veículo lunar" em sânscrito e compreende um módulo orbital, um lander e um rover, deve pousar no polo sul lunar em 7 de setembro, de acordo com a ISRO.

"Estou muito feliz de anunciar que o veículo GSLV Mark 3 injetou com sucesso a Chandrayaan-2 na órbita esperada", anunciou sob aplausos o chefe da ISRO, Kailasavadivoo Sivan, no centro de controle da agência espacial.

O êxito da operação foi confirmado 17 minutos depois do lançamento, levando alívio para a agência espacial indiana, depois de uma semana difícil após o cancelamento de uma primeira tentativa. "Este é o começo de uma viagem histórica da Índia para a Lua, com sua aterrissagem em um local próximo ao polo sul, para realizar experimentos científicos", acrescentou Sivan.

Nas próximas semanas, um total de 15 manobras será realizado para elevar a órbita da espaçonave que a levará para a órbita lunar, numa jornada de 384 mil quilômetros.

Assistir ao vídeo 05:39

O que as missões Apollo nos ensinam sobre a Lua

O chefe da ISRO também lembrou como a primeira tentativa, que tinha sido programada para a madrugada da segunda-feira passada, teve que ser suspensa por um problema no sistema do veículo de lançamento, quando faltava apenas uma hora para a decolagem. O problema foi resolvido em 24 horas, segundo ele.

Essa é a segunda missão de exploração lunar da Índia, depois que sua versão anterior, Chandrayaan-1, foi colocada na órbita lunar em novembro de 2008, mas não pousou no satélite.

A missão, de 142 milhões de dólares, pretende explorar o polo sul da superfície lunar, mapear a superfície da Lua, descobrir, em 14 dias de experimentos, mais sobre a composição mineral do satélite e procurar por água. Traços da substância foram descobertos de forma conclusiva pela Chandrayaan-1.

A missão indiana começa num momento em que há um renovado interesse global na ciência lunar. Os Estados Unidos pretendem promover um retorno de astronautas ao satélite até 2024. A sonda chinesa não tripulada Chang'e 4 já pousou no hemisfério sul do lado oculto da Lua no início de janeiro. Em abril, uma nave israelense não tripulada caiu na Lua em uma tentativa fracassada de aterrissar.

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, disse que o programa lunar da Índia ganhará um impulso substancial, acrescentando que o conhecimento existente do país sobre a Lua será "significativamente melhorado".

Se tiver êxito, a Chandrayaan-2 transformará a Índia no quarto membro do clube de nações a chegarem à Lua – composto por Rússia, Estados Unidos e China – e o primeiro país a promover um pouso no polo sul do satélite.

MD/efe/rtr

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados