É possível fazer chover de maneira segura? | DW Brasil | Notícias e análises do Brasil e do mundo | DW | 28.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

NOTÍCIAS

É possível fazer chover de maneira segura?

Técnica testada no século passado permite fazer chover em momentos de necessidade. A questão é saber se vale o risco.

Existe uma técnica, descoberta no século passado, que permite semear nuvens para fazer chover nas horas de maior necessidade: um período prolongado de seca ou um incêndio florestal de grandes proporções. Mas é tão seguro e simples como parece manipular o clima? É a pergunta que o Futurando desta semana vai responder. Reunimos especialistas para debater até que ponto devemos contar com métodos assim para um futuro de adaptação às mudanças climáticas.

Um "planeta B”, afinal, pelo menos no curto prazo, não parece estar ao nosso alcance. Teremos que ficar aqui na Terra mesmo. Júpiter, por exemplo, está fora de cogitação pelas informações que se têm até o momento. É o "rei” do sistema solar, porém, com uma superfície turbulenta, como detectou a sonda Juno, enviada a Júpiter em 2011, e que desde 2016 orbita o astro. Nesta edição, vamos mostrar detalhes desse planeta gigante.

Conversamos também com a astrônoma Diana Andrade, que explicou o papel importante das sondas e da aplicação das teorias de formação planetária para descobrir a composição dos planetas. Afinal, como sabemos que o núcleo da Terra é formado por metais? O que permitiu que a ciência chegasse a essa informação? Você vai entender na explicação da cientista da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Aliás, os meteoritos deixam rastros sobre a composição dos planetas, e cientistas de diversos lugares do mundo analisam meteoritos encontrados na Terra na busca de elementos essenciais para a vida. Sondas no espaço também trabalham para comparar amostras terrestres com as que orbitam o planeta.